Paulo Macedo diz que Caixa Geral de Depósitos está a ser usada para “arremesso político”

Segundo o gestor, perante as tantas notícias sobre a Caixa Geral de Depósitos, a resposta do banco é “estar mais perto dos clientes” para “minimizar o desfoque do negócio e da atividade”. Paulo Macedo defende que a “Caixa tem de se renovar e dar melhores condições aos 3,5 a quatro milhões de clientes que tem”, afirmou.

Cristina Bernardo

O presidente executivo da CGD considerou hoje que o “arremesso político” que é feito usando o banco público cria danos na instituição e que a resposta da sua equipa é centrar-se em prestar um melhor serviço aos clientes.

“Relativamente à questão dos danos, obviamente que a Caixa enquanto arma de arremesso político sofre sempre e estar meses e meses com notícias que não são positivas, sofre”, disse Paulo Macedo aos jornalistas, durante a visita à agência do banco em Lisboa, no Lumiar, renovada nas condições de atendimento aos clientes.

Segundo o gestor, perante as tantas notícias sobre a Caixa Geral de Depósitos (CGD), a resposta do banco é “estar mais perto dos clientes” para “minimizar o desfoque do negócio e da atividade”.

“A Caixa tem de se renovar e dar melhores condições aos 3,5 a quatro milhões de clientes que tem”, afirmou.

Além da agência no Lumiar, em Lisboa, hoje também foi apresentada a renovada agência na Avenida da Boavista, no Porto, segundo Macedo.

A CGD tem estado envolta em polémica desde que foi conhecida há três semanas a auditoria à gestão entre 2000 e 2015, que revelou a concessão de créditos mal fundamentada, atribuição de bónus aos gestores com resultados negativos, interferência do Estado e aprovação de empréstimos com parecer desfavorável ou condicionado da direção de risco, com prejuízos significativos para o banco público.

O presidente executivo, Paulo Macedo, tem dito desde então em várias intervenções públicas que este debate político e mediático provoca danos na instituição e que mais quatro meses de nova comissão de inquérito continuarão a desestabilizar.

“Respeitamos a Assembleia da República mas era bom que alguém de vez em quando, designadamente alguém que soubesse de gerir empresas, percebesse o que é estar a trabalhar e falar com clientes como se fosse nada, e isso não existe”, disse no início de fevereiro, no parlamento, o gestor e ex-ministro da Saúde do governo PSD/CDS-PP liderado por Passos Coelho.

A CGD teve lucros de 496 milhões de euros em 2018, bem acima dos 51,9 milhões de euros registados em 2017, sendo o segundo ano consecutivo de lucros do banco público, depois de entre 2011 e 2016 os prejuízos acumulados terem superado os 3.800 milhões de euros.

Paulo Macedo tomou posse como presidente executivo da CGD em 01 de fevereiro de 2017, sucedendo a António Domingues, que teve um curto mandato de quatro meses devido à polémica em torno de não ter sido tornada pública a sua declaração de rendimento e património.

Ler mais
Relacionadas

Respostas rápidas: Carlos Costa pode ser exonerado com as regras em vigor? Saiba os passos do afastamento de um governador

O governador do Banco de Portugal é “inamovível”, mas pode ser exonerado do seu cargo se não cumprir os requisitos ou tiver cometido falta grave. Saiba aqui em que circunstâncias Carlos Costa pode ser afastado do cargo de governador do Banco de Portugal e que o que está em causa na sua ligação à CGD.

CGD: Vice-governadora Elisa Ferreira diz não haver razões para pedir escusa sobre auditoria

A Lusa questionou o banco central se Elisa Ferreira ponderava pedir escusa à análise da auditoria sobre a CGD, depois de ter sido conhecido que o seu marido foi vice-presidente da espanhola La Seda, que recebeu créditos do banco público que resultaram em prejuízos para o banco público.

Reforma da supervisão financeira vai dar poder ao Parlamento para iniciar exoneração dos Governadores

Carlos Costa é inamovível. Isso é certo. Mas o Governo quer mudar a lei para que a exoneração do Governador do Banco de Portugal possa ser desencadeada no Parlamento. No entanto, mesmo que na nova reforma da supervisão financeira essa possibilidade seja contemplada, já não abrange o atual mandato do Governador que acaba em julho de 2020.
Recomendadas

Relatório da EY à Caixa foi “insuficiente” e “descuidado”, afirma Eduardo Paz Ferreira

O ex-presidente da comissão de auditoria do banco público considera que a auditoria “não favorece a reconstituição dos factos e entra até numa contradição grave sobre a atuação dos órgãos de fiscalização”.

Comissão de inquérito à Caixa ouve hoje Eduardo Paz Ferreira

A nova comissão de inquérito à Caixa vai ouvir nesta quarta-feira, 3 de abril, o antigo presidente do conselho fiscal do banco. Eduardo Paz Ferreira incluiu nos seus pareceres alertas de risco de “fraudes e erros”, mas considera que não tiveram grande tradução de medidas, nomeadamente do Ministério das Finanças, para quem estes relatórios eram enviados.

CGD: Créditos para compra de ações? “Isso era uma doença”, diz antigo ROC

Antigo revisor de contas da CGD assegura que enviava relatórios às Finanças e BdP sobre análise de contas do banco público, onde constava informação sobre créditos para compra de acções que, diz Manuel de Oliveira Rego, “era uma doença” no banco público.
Comentários