Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.

O cabeça de lista do PSD às europeias, Paulo Rangel, apelou hoje aos apoiantes para irem “votar cedo” e só depois descansar, para impedirem “a legitimação” de António Costa para quem pediu “um cartão amarelo senão mesmo vermelho”.

“Quero deixar claro que se nós queremos ganhar, e eu sei que vamos ganhar, nós temos de ir votar no domingo. E vou dizer aqui de forma paternalista, que temos de ir votar cedo, libertar o dia para descansar mas primeiro ir votar”, apelou Rangel, num comício na Praça da Batalha, Porto.

O cabeça de lista pediu para “ninguém ficar em casa” e, no último discurso da campanha eleitoral ao Parlamento Europeu, passou em revista os argumentos que tem apresentado para o voto no PSD, subindo o tom das críticas ao primeiro-ministro, António Costa.

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.

Rangel apresentou o PSD como o único partido capaz de derrotar o PS por ser “um partido responsável que pensa nas pessoas, nos cidadãos em primeiro lugar” e não na “ocupação molecular do poder”.

Paulo Rangel voltou a pedir um “cartão amarelo senão mesmo um cartão vermelho” ao Governo PS, que conduz uma “política demagógica e oportunista”, com o investimento público a “níveis mínimos” e o “simplex transformado em complicadex”.

Antes, numa breve intervenção, o comissário europeu Carlos Moedas, mandatário nacional da candidatura social-democrata, considerou que Rangel é o “melhor cabeça de lista da história das eleições europeias”.

“Depois de cinco anos na Europa, eu estou apaixonado pelo PSD” declarou Carlos Moedas, que esteve na arruada na Rua de Santa Catarina, no Porto, iniciativa que marcou o momento de maior mobilização de apoiantes em iniciativas de rua na campanha.

Naquela rua pedonal, muito apetecida pelas comitivas partidárias em campanha eleitoral, esteve hoje a campanha do BE, à frente da comitiva do PSD, e do CDS-PP, que surgiu atrás, mas sem nunca se cruzarem.

Ler mais
Relacionadas

“Por favor, não liguem às sondagens”. António Costa faz apelo para as Europeias

António Costa falava no último almoço da campanha socialista para as eleições europeias, na cervejaria Trindade, em Lisboa, num discurso em que começou por saudar as presenças dos antigos líderes do PS, Jorge Sampaio (também antigo chefe de Estado), e de Ferro Rodrigues (atual presidente da Assembleia da República).

Europeias: mais de metade dos portugueses não sabe o nome de um único eurodeputado

Uma sondagem feita pelo ISCTE /ICS para a SIC e o Expresso revela que a maioria dos portugueses concorda que Portugal beneficia por fazer parte do projeto europeu, mas 34% dos inquiridos não sabem em quem votar no próximo domingo.

Premium‘Primeira volta’ das legislativas vai deixar tudo em aberto

Eleições europeias deste domingo tornaram-se uma avaliação deste Governo, por iniciativa do primeiro-ministro António Costa. Depois da “crise dos professores”, o PS voltou a distanciar-se do PSD, mas com que efeitos a médio prazo e nas legislativas?
Recomendadas

Escritores britânicos promovem digressão europeia contra o ‘Brexit’

Ken Follett, Lee Child, Jojo Moyes e Kate Mosse iniciam em novembro uma digressão europeia para expressarem “preocupação” face aos acontecimentos políticos no Reino Unido e a sua rejeição ao “Brexit”.

Boris Johnson: “Não acredito por um momento” num Brexit sem acordo

Boris Johnson reconheceu, numa entrevista à BBC, que precisaria da cooperação da UE para evitar a reposição da fronteira irlandesa ou de pesadas taxas comerciais, num cenário de um Brexit sem acordo.

Brexit. Banco de Inglaterra rejeita teoria de Boris Johnson e avisa que Reino Unido vai ser penalizado com taxas alfandegárias

O governador do banco central de Inglaterra afirma que cerca de 150 mil empresas ainda não têm a documentação necessária para continuar a exportar para a União Europeia num cenário de um Brexit sem acordo.
Comentários