PayPal passa a permitir transferências de dinheiro gratuitas na Europa

A empresa norte-americana de pagamentos disponibilizou o novo serviço gratuito para os países europeus, de forma a pôr fim às pequenas dívidas entre amigos, familiares e colegas de trabalho. Segundo um estudo elaborado pela Censuswide, os portugueses emprestam entre 50 euros e 100 euros, devem 10 euros e têm a cobrar também 10 euros.

“Compras o meu bilhete? Logo faço-te a transferência”. “Pagas tu o presente e depois dividimos?”. “Dá-me o teu NIB para pagar o lanche do outro dia”. A empresa norte-americana de pagamentos PayPal pretende terminar de uma vez com declarações como esta –  ou seja, pôr fim às pequenas dívidas (que, na realidade, se podem resolver com tecnologia).

O sistema de pagamentos eletrónicos apresentou um novo serviço gratuito para pedir dinheiro ou realizar transferências sem custos, através da sua aplicação móvel ou website. Trata-se de uma ferramenta para pagamentos pessoais (em euros) dentro do Espaço Económico Europeu, lançada esta terça-feira em Portugal.

Independentemente da fonte de financiamento para transferir o montante (saldo PayPal, cartão ou conta bancária), os portugueses passam a conseguir, por exemplo, liquidar pequenas dívidas através do telemóvel, à semelhança do que já acontece com a plataforma da SIBS, a MB Way. Na prática, os utilizadores podem fazer pagamentos na União Europeia sem terem de preencher nenhum dado bancário (basta o destinatário ter uma conta PayPal e acesso a email).

A empresa liderada por Daniel Schulman, que conta atualmente com cerca de 267 milhões de titulares ativos a nível global, registou, no ano passado, um aumento de 49% no volume de pagamentos pessoais gratuitos, para cerca de 123 mil milhões de euros.

Quanto dinheiro é que os portugueses devem, em média, a amigos e familiares?

Esquecimento (25,6%), não terem o dinheiro na carteira nem acesso a uma caixa automática (16,8%) e considerarem difícil encontrar-se pessoalmente com a pessoa (12,3%) são as três principais razões que levam os portugueses a não devolver imediatamente o dinheiro que lhes foi emprestado por conhecidos, de acordo com um estudo elaborado pela Censuswide a pedido da PayPal.

Os consumidores em Portugal têm sobretudo três motivos para acumular pequenas dívidas com os seus amigos, familiares e colegas de trabalho: enviarem dinheiro como presente (28%), pagarem contas domésticas (24,6%) e comprarem prendas (21,1%), segundo o mesmo relatório. Já 21% dos credores considera que é difícil reaver os montantes.

A análise, com base em 10.112 entrevistas em 10 geografias (Portugal, Bélgica, República Checa, Finlândia, Grécia, Hungria, Itália, Noruega, Polónia e Suécia), revelou também que em média, os portugueses emprestam entre 50 euros e 100 euros, devem 10 euros e têm a cobrar também 10 euros.

Como reagem os portugueses quando não devolvem o dinheiro?

  • Nunca mais emprestar dinheiro (27,2%)
  • Recordam-nos pessoalmente (26,8%)
  • Contactam a pessoa por telefone ou email (19,8%)
Ler mais
Recomendadas

Calçado vegan? Sim, também já há

Uma empresa da Póvoa de Lanhoso considera que nem mesmo uma indústria tradicional como o calçado precisa de recorrer a produtos que, do ponte de vista da sustentabilidade, não fazem sentido.

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Empresas começam projetos de inovação mas não conseguem acabar mais de metade

O excesso de projetos, a falta de liderança e a ausência de processos estão a bloquear o desenvolvimento das organizações mundiais, segundo o estudo “Having a successful innovation agenda”, elaborado pela multinacional Oracle.
Comentários