PCP critica veto de Marcelo e quer confirmar nova lei de financiamento dos partidos

“A sua decisão de veto, sem fundamento no seu conteúdo, que não é alterável pelas mentiras e manipulações que sobre elas foram bastamente produzidas, merece a discordância e crítica do PCP”, afirmou hoje o dirigente comunista José Capucho.

O dirigente comunista José Capucho condenou hoje o veto do Presidente da República às recentes alterações à lei de financiamento dos partidos políticos e prometeu tentar reconfirmar aquela legislação no parlamento.

“Conhecendo o Presidente da República o alcance concreto das alterações, a sua decisão de veto, sem fundamento no seu conteúdo, que não é alterável pelas mentiras e manipulações que sobre elas foram bastamente produzidas, merece a discordância e crítica do PCP”, afirmou, questionando “os critérios” do chefe de Estado sobre “questões de relevante importância face ao desenvolvimento de campanhas públicas baseadas no populismo”.

O membro da comissão política do Comité Central do PCP, em conferência de imprensa na sede nacional do partido, em Lisboa, adiantou que o partido “não vê nenhum motivo verdadeiro para que as alterações não sejam confirmadas pela Assembleia da República”.

Contudo, José Capucho vincou a discordância de princípio do PCP relativamente à lei original de 2003 – “uma lei absurda, antidemocrática e inconstitucional, que impõe limitações à liberdade de atuação dos partidos, confunde fiscalização com ingerência”.

Marcelo Rebelo de Sousa vetou na terça-feira as alterações à lei do financiamento dos partidos políticos, “com base na ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos”.

O veto presidencial obriga os deputados a duas opções: ou alteram o diploma, aprovado por PSD, PS, BE, PCP e PEV e votos contra de CDS-PP e PAN, para ultrapassar as dúvidas do chefe do Estado ou confirmam a lei com uma maioria alargada de dois terços.

Ler mais
Relacionadas

Os seis vetos do Presidente Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa, utilizou ontem pela sexta vez o poder de veto, devolvendo à Assembleia da República, sem promulgação, as alterações à lei do financiamento dos partidos políticos, aprovadas a 21 de dezembro de 2017.

Marcelo veta nova lei do financiamento dos partidos políticos

Decisão é justificada com a “ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos” Agora, os deputados alteram o diploma ou confrontam o chefe de Estado confirmando a lei com uma maioria de dois terços.

CDS-PP considera que veto presidencial é “compreensível, esperado e até inevitável”

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, defende que os restantes grupos parlamentares devem “juntar-se ao CDS-PP” e votar contra as alterações à lei de financiamento dos partidos políticos que considera serem “injustificáveis e imorais”.

Marcelo veta nova lei do financiamento dos partidos

Numa nota divulgada no site da presidência, Marcelo Rebelo de Sousa revela que o veto tem como base “a ausência de fundamentação publicamente escrutinável quanto à mudança introduzida no modo de financiamento dos partidos políticos”,
Recomendadas

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.

“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.
Comentários