PCP defende reconhecimento do papel dos bombeiros

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu hoje o reconhecimento do papel dos bombeiros e o seu lugar na coordenação para defender bens e pessoas.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu hoje o reconhecimento do papel dos bombeiros e o seu lugar na coordenação para defender bens e pessoas.

“Tivemos há pouco a notícia de que as associações de bombeiros resolveram sair do sistema de Proteção Civil, não há sistema de Proteção Civil sem os bombeiros, sem o reconhecimento do seu papel e lugar na coordenação para defender bens e pessoas”, afirmou Jerónimo de Sousa, em Vila Real.

A Liga dos Bombeiros Portugueses decidiu hoje, em Santarém, “abandonar de imediato” a estrutura da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), um “corte radical” de protesto contra os diplomas sobre as estruturas de comando aprovados pelo Governo.

Numa primeira reação a esta tomada de posição dos bombeiros, o secretário-geral disse que o PCP defende o “reconhecimento que é devido aos bombeiros portugueses”.

Jerónimo de Sousa falava durante o encerramento da 9.ª Assembleia de Organização Regional de Vila Real do Partido Comunista Português que decorreu hoje sob o lema “Reforçar o PCP. Valorizar a Região. Sim é possível!”.

Recomendadas

Grupo de trabalho sobre viagens de deputados tem que trabalhar de “forma célere”

O grupo de trabalho para analisar as despesas e reembolsos de viagens de deputados já foi criado e tem que alterar as regras em 2019, de acordo com um despacho do presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

Jerónimo de Sousa diz que PSD é um “pronto-socorro” e CDS-PP é um “atrelado” do Governo

O secretário-geral do PCP acusou os partidos da direita de se aliarem ao Governo do PS no que respeita à legislação laboral. Por outro lado, voltou a defender um aumento do salário mínimo nacional que “não se limite aos 600 euros” em 2019.

Catarina Martins: “Existem estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos”

A líder do Bloco de Esquerda acusa “os partidos da direita” de “hipocrisia” por “defenderem as reivindicações sindicais”, alerta para “estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos” e diz que “não faz sentido esta corrida para o défice zero”.
Comentários