PCP denuncia aumento da precariedade na Administração Pública da Madeira

O deputado Ricardo Lume identificou a saúde e a educação como sendo as áreas com maior precariedade na função pública.

O PCP promoveu na passada segunda-feira uma campanha sob o tema ‘Valorizar os Trabalhadores, Mais Força ao PCP’. Nesta iniciativa os comunistas madeirenses denunciaram uma diminuição dos número de trabalhadores na função pública bem como o aumento dos vínculos a prazo.

“Não só aumentou efectivamente o número de trabalhadores precários na administração pública regional, mas também em termos percentuais existiu um aumento significativo visto que podemos verificar uma diminuição efectiva de 270 postos de trabalho na administração pública de 2016 para 2017 e um aumento de 81 trabalhadores com vínculo precário”, explica o deputado Ricardo Lume.

O deputado do PCP Madeira identifica a saúde e da educação como sendo as áreas como maior precariedade na administração pública.

“Na educação sabemos que existem professores há décadas nesta situação, pois estão a ocupar um posto de trabalho permanente, mas não têm vínculos efectivos. Na saúde são assistentes operacionais, motoristas dos transportes de doentes, cozinheiros entre outros que também são vítimas desta triste realidade”, afirma.

Ricardo Lume reforça que o PCP defende que para cada posto de trabalho permanente deve corresponder um vínculo laboral efectivo.

Recomendadas

PTP defende ligação marítima sustentada pelo Governo Regional e da República

Para o partido a entrega da operação à Empresa de Navegação Madeirense (ENM) tem um custo elevado. No entender de Raquel Coelho se a operação fosse pública permitiria trazer preços mais competitivos e solucionar os custos elevados do transporte de carga para a Madeira.

32% das empresas criadas na Madeira são no sector da hotelaria e turismo, diz Calado

A aposta na excelência do serviço e do atendimento foi outra estratégia apontada pelo governante para trazer ainda mais relevo ao turismo da Madeira.

SantoQueijo recebe 700 mil euros para ampliar unidade de produção

Unidade de produção de queijo fresco e requeijão fatura anualmente 1,2 milhões de euros e prepara o lançamento dos novos produtos
Comentários