PCP diz que controlo público dos CTT, TAP, energia e banca é “incontornável” para desenvolvimento nacional

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, diz que é “decisivo” avançar com a recuperação dos setores estratégicos da economia, de modo a que estes não estejam condicionados pela lógica do lucro.

Cristina Bernardo

O Partido Comunista (PCP) insiste que a recuperação do controlo público dos CTT, TAP, ANA, do setor energético, telecomunicações e banca é um objetivo “incontornável” para o desenvolvimento nacional. O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, diz que é “decisivo” avançar com a recuperação dos setores estratégicos da economia, de modo a que estes não estejam condicionados pela lógica do lucro.

“É decisivo avançar na recuperação pública dos setores estratégicos de modo a que os investimentos estratégicos não estejam condicionados pelas lógicas estreitas da maximização do lucro e da rápida recuperação do capital aplicado, que dificilmente coincidirão com o interesse nacional”, afirmou Jerónimo de Sousa, numa audição esta segunda-feira sobre “Economia e Desenvolvimento”, inserida na consulta alargada que o PCP está a realizar sobre o Programa Eleitoral para as legislativas de outubro.

Entre os setores que o PCP considera estratégicos estão “os CTT, a TAP, a ANA, o setor energético e as suas redes, as telecomunicações e a banca”. “[A recuperação do controlo público destes setores] são, entre outros, objetivos incontornáveis para quem queira recuperar os instrumentos de comando da economia portuguesa e desenvolver o país”, sublinhou o líder comunista.

Os comunistas defendem que não são os atuais níveis de crescimento económico, “realizados em setores sujeitos a grande volatilidade e num contexto externo favorável”, que vão permitir recuperar os atrasos de anos e os “défices e estrangulamentos estruturais” da economia portuguesa.

“Tenta-se fundamentar nesse crescimento, moderado diga-se e hoje já em desacelaração, a tese de que é possível resolver os problemas nacionais mantendo intocável o atual quadro de opções políticas e constrangimentos externos. Mas trata-se de uma falsa tese que omite que os problemas de fundo e estruturais que marcam a realidade portuguesa não foram, nem estão resolvidos e que persistem graves problemas económicos e sociais sem resposta”, disse Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral do PCP afirmou ter a “profunda convicção” de que “Portugal não está condenado ao atraso” e que, por isso, é preciso iniciar uma política alternativa às políticas de direita e de recuperação capitalista de governos da responsabilidade de PS, PSD e CDS. “Da nossa parte temos propostas e outras aqui virão, evidenciando a existência de uma política alternativa”, garantiu.

Ler mais
Recomendadas

Bolsonaro vem a Portugal no início de 2020

Jair Bolsonaro, deverá visitar Portugal no início de 2020, disse hoje, em entrevista à Lusa, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo.

Deputadas do PSD perdem imunidade parlamentar e são constituídas arguidas

Emília Cerqueira e Maria das Mercês Borges respondem em processos relacionados com o registo de falsas presenças de José Silvano e Feliciano Barreiras Duarte e José Silvano em reuniões plenárias da Assembleia da República.

Revisão do Código do Trabalho aprovada apenas com votos favoráveis do PS

As bancadas do BE, PCP e PEV votaram contra o diploma, justificando a sua posição com o facto de não se reverem no texto final que foi hoje a votos e que consideram ter normas que são uma cedência do PS aos partidos à direita e às confederações patronais.
Comentários