PCP diz que resultados da CDU são consequência de campanha anticomunista

O dirigente comunista João Oliveira considerou, esta segunda-feira, que os resultados eleitorais da CDU nas autárquicas são consequência de uma “prolongada e intensa campanha anticomunista” e da concentração da discussão em assuntos nacionais, em vez de locais.

Em comunicado, o membro da Comissão Política do Comité Central do PCP enalteceu que a “obtenção de mais de 450.000 votos, 9,1% do total nacional, a eleição de mais de 2.000 mandatos diretos, a que se somarão ainda umas centenas de outros, são a verdadeira dimensão do resultado da CDU”.

“Não iludindo a perda de sete municípios”, João Oliveira, que é também dirigente da bancada parlamentar comunista, sustentou que o “resultado da CDU é inseparável” de várias condicionantes, como, por exemplo, “os efeitos de uma prolongada e intensa campanha anticomunista”, para fragilizar a “reconhecida e distintiva seriedade dos eleitos” da coligação.

O dirigente do PCP acrescentou que houve uma “desfocagem alimentada ao longo de semanas da natureza e objetivos destas eleições, esbatendo o seu caráter local e a distinção nesse plano entre os vários programas eleitorais”, induzindo a uma “decisão em função de critérios de política nacional e procurando atribuir ao PCP e à CDU posicionamentos nesse plano que não tem”.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, também já tinha criticado a falta de discussão sobre matérias locais durante a campanha autárquica, considerando que foi dominada pela “política espetáculo”.

Na nota divulgada hoje, o líder parlamentar do PCP referiu que a pandemia e os condicionamentos associados prejudicaram o contacto típico da CDU com as populações, durante quase dois anos: “Um quadro em que estiveram suspensas, praticamente por dois anos, a vida e a atividade do movimento associativo, das organizações de reformados, da comunidade educativa e outras, com tudo o que isso induz de amputação de vivência coletiva”.

“Os milhares de mandatos obtidos pela CDU nos órgãos municipais e de freguesia corresponderão a uma decidida intervenção com que as populações podem contar. O apoio agora recolhido será integralmente posto ao serviço das populações”, finalizou.

A CDU perdeu sete autarquias nas eleições autárquicas de domingo. Mora, Montemor-o-Novo (distrito de Évora) e Moita (Setúbal), três dos nove municípios presididos pela CDU desde as primeiras eleições autárquicas, em 1976, passaram para a esfera do PS.

A coligação também perdeu para o PS as câmaras municipais de Loures (Lisboa), Alvito (distrito de Beja) e Alpiarça (Santarém). Já o concelho de Vila Viçosa (Évora) foi conquistado por uma coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM.

No entanto, a CDU conquistou ao PS os municípios de Barrancos (Beja) e Viana do Alentejo (Évora).

Relacionadas

Marcelo diz que “crises políticas nos próximos anos não fazem sentido” e critica atrasos no novo aeroporto de Lisboa

“Não pensava que se alongasse tanto. Esperava um prazo mais curto. Como em tudo na vida, o adiamento de decisões só as complica”, alertou o Presidente da República, um dia depois das eleições autárquicas.

Catarina Martins admite “maus resultados” em eleições autárquicas

Catarina Martins saudou também “a eleição da Joana Mortágua, uma eleição muito difícil” e disse que o partido demonstraria a disponibilidade de sempre, “mas também a mesma determinação”.
Cartazes de Carlos Moedas e Fernando Medina

Nenhum candidato chegou aos 100 mil votos pela primeira vez desde que há eleições autárquicas

Carlos Moedas e Fernando Medina protagonizaram a primeira disputa pela Câmara de Lisboa, com a exceção das intercalares de 2007, em que não houve qualquer candidato a chegar à centena de milhar de eleitores. Para trás ficam as enormes vitórias, acima dos 200 mil votos, que dos dois lados do espectro político ocorreram em 1979 e 1993.
Recomendadas

Proposta do Bloco para recalcular valor das pensões poderá custar 200 milhões

O recalculo faz parte de uma das nove propostas do partido para viabilizar o Orçamento do Estado para 2022. De acordo com o “Diário de Notícias”, medida poderá ter um impacto orçamental de 200 milhões de euros.

OE2022: Costa salienta que em caso algum o seu Governo colocará em risco contas públicas (com áudio)

O secretário-geral do PS considerou hoje que o objetivo das contas certas no Orçamento é “um bem inestimável” e salientou que em circunstância alguma o Governo aceitará colocar em risco a credibilidade externa da economia portuguesa.

Fesap exige respostas do Governo sob pena de avançar com formas de luta

A decisão foi tomada pela comissão permanente da FESAP, que considerou que o Governo tem de responder aos problemas dos trabalhadores da administração, porque a proposta de Orçamento do Estado para 2022 não o faz.
Comentários