PCP quer tornar definitivo apoio extra a desempregados de longa duração

A medida foi introduzida no Orçamento do Estado de 2016 e manteve-se até este ano, mas o partido quer ir mais longe propõe que este apoio extraordinário passe a vigorar para sempre.

O Partido Comunista Português (PCP) quer tornar permanente a medida extraordinária de apoio a desempregados de longa duração. A medida foi introduzida no Orçamento do Estado de 2016 e manteve-se até este ano, mas o partido quer ir mais longe propõe que este apoio extraordinário passe a vigorar para sempre, avança o “Dinheiro Vivo”.

Até este ano, os comunistas conseguiram sempre uma renovação do apoio a desempregados de longa duração. O Orçamento do Estado para este ano trouxe ainda um dois-em-um: além deste apoio, o Governo concordou ainda em antecipar o prazo para se poder aceder a este tipo de apoio. A proposta agora é tornar esse apoio definitivo, o que terá um custo de cerca de 213 milhões de euros.

“O PCP bater-se-á pela consagração [do apoio extraordinário] na legislação de proteção ao desemprego e não como medida decidida a cada ano pelo Orçamento do Estado”, afirmou, ao jornal, a deputada comunista Diana Ferreira.

Este apoio extraordinário é atribuído durante um período máximo de seis meses (não renovável) e o montante está fixado em 80% do valor do subsídio social de desemprego. Entre janeiro e fevereiro de 2018, foram notificados mais de 14.300 potenciais beneficiários da medida extraordinária. No final de junho estavam a receber este apoio 5.329 pessoas.

Recomendadas

Caso dos e-mails: Sporting estranha falta de esclarecimentos do Benfica

Segundo fonte oficial dos ‘leões’, as várias intervenções públicas dos ‘encarnados’ não serviram ainda para explicar “qualquer um dos inúmeros assuntos, muitos deles graves, expostos nos conhecidos e-mails”.

António Sá da Costa nega existência de “rendas excessivas na eletricidade renovável”

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o presidente da APREN defendeu que “os investimentos na eletricidade renovável trouxeram grandes benefícios para a economia e para o cidadão”.

“É cedo” para avaliar o impacto económico do ‘shutdown’ e dos ‘coletes amarelos’, estima FMI

“Quanto mais durar, mais significativo será o efeito”, afirmou o porta-voz do FMI, Gerry Rice, sobre o encerramento parcial da administração federal norte-americana (“shutdown”), que dura há quase um mês e que já é o mais longo da história dos Estados Unidos.
Comentários