Pechincha? Mini-castelos do estilo Disney à venda na Turquia por 350 mil euros

Procura uma casa de férias na região do Mar Negro na Turquia? Gosta dos contos da Disney? Por 350 mil euros, estas casas podem ser ideais para si.

Um mega-empreendimento imobiliário na Turquia tem várias centenas de casas que se assemelham a pequenos castelos dos contos da Disney. A empresa promotora nunca conseguiu concluir o projeto por dificuldades financeiras e o empreendimento assemelha-se agora a uma cidade fantasma. Mas o projeto pode voltar a ganhar vida este ano, acreditam os promotores, conforme conta o New York Times.

Em 2014, os irmãos Yerdelen, empreendedores imobiliários de Istambul que estão em plena ascensão imobiliária, anunciaram planos de construir mais de 700 pequenos castelos, com torres e terraços com vista para a floresta.

O objetivo era atrair os milionários dos países do Golfo Pérsico, dado que um terço dos compradores estrangeiros no país são de países como o Kuwait e o Bahrein, de acordo com o New York Times que cita a Associação de Investimento no Mercado Imobiliário da Turquia.

Os irmãos juntaram-se a Bulent Yilmaz e decidiram apostar em Mudurnu, na região do Mar Negro, uma pequena cidade termal localizada entre Istambul e Ankara, conhecida pelas suas fontes termais e águas milagrosas.

As luxuosas moradias possuem torres inspiradas em edifícios de Istambul, varandas brancas e tetos pontiagudos, estendendo-se numa área de 100 hectares. Os proprietários podem escolher entre três diferentes configurações, com decoração distinta. Em comum, têm um jacuzzi em cada piso, e têm a opção de incluir um elevador ou uma piscina interior.

Cada castelo tem acesso à água termal da região, que “cura doenças do estômago e pedras nos rins”, assim como “problemas de pele, reumatismo e hérnias discais”, disse Mezher Yerdelen ao jornal norte-americana.

O preço da moradia depende da localização, mas encontra-se entre os 350 mil e os 440 mil euros.

Ao início, o grupo Sarot, empresa dos irmãos, vendeu cerca de 350 casas a investidores árabes. O negócio parecia correr bem, beneficiado por uma conjuntura positiva – o Presidente Erdogan estabeleceu que quem comprasse uma propriedade no valor de 220 mil euros ganharia o direito à cidadania.

Mas o conto de fadas não durou muito tempo. Cincos anos depois do início do projeto, que previa a construção de 732 palácios, apenas cerca de 300 foram construídos na totalidade, e a maioria está abandonada.

Os motivos são muitos, mas principalmente o ataque terrorista no aeroporto de Istambul em 2016, a recessão económica, a subida abrupta da taxa de inflação, a desvalorização da lira turca e a descida dos preços do petróleo dificultaram a venda destes imóveis.

O grupo soma agora dívidas no valor de 23 milhões de euros mas mantém a cabeça erguida.

“Precisamos de vender apenas 100 moradias para saldar a nossa dívida”, explicou Mezher Yerdelen, que acredita que é possível superar a crise “em quatro a cinco meses e inaugurar parcialmente o projeto em 2019”.

Ler mais
Recomendadas

Água de icebergs vendida a 80 euros e água com “frequências sonoras de amor” entre as melhores do mundo

Extraídas a 914 metros de profundidade no Havai, de fontes nas ilhas Fiji ou polvilhadas com ouro. São assim algumas das águas engarrafas mais caras do mundo.

Do improviso de Armstrong à bandeira especial hasteada na Lua. Cinco factos (pouco conhecidos) sobre a missão da Apollo 11

Há precisamente 50 anos, no dia 16, pelas 9h32 minutos, hora local, o mais poderoso foguetão da história, o Saturno 5, levava para o espaço três homens e a missão Apollo. Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins davam os primeiros passos rumo a um dos maiores capítulos da história da humanidade, a chegada à Lua.

Maria Isilda Ribeiro. A costureira portuguesa que coseu a bandeira americana que está na Lua há 50 anos

Um dia chegou a encomenda ‘espacial’ para ser hasteada na Lua, a que “faltava coser as bainhas, a dobra para a haste e fazer alguns remates”, recorda a costureira portuguesa no 50º aniversário da chegada do homem à Lua.
Comentários