Pechincha? Mini-castelos do estilo Disney à venda na Turquia por 350 mil euros

Procura uma casa de férias na região do Mar Negro na Turquia? Gosta dos contos da Disney? Por 350 mil euros, estas casas podem ser ideais para si.

Um mega-empreendimento imobiliário na Turquia tem várias centenas de casas que se assemelham a pequenos castelos dos contos da Disney. A empresa promotora nunca conseguiu concluir o projeto por dificuldades financeiras e o empreendimento assemelha-se agora a uma cidade fantasma. Mas o projeto pode voltar a ganhar vida este ano, acreditam os promotores, conforme conta o New York Times.

Em 2014, os irmãos Yerdelen, empreendedores imobiliários de Istambul que estão em plena ascensão imobiliária, anunciaram planos de construir mais de 700 pequenos castelos, com torres e terraços com vista para a floresta.

O objetivo era atrair os milionários dos países do Golfo Pérsico, dado que um terço dos compradores estrangeiros no país são de países como o Kuwait e o Bahrein, de acordo com o New York Times que cita a Associação de Investimento no Mercado Imobiliário da Turquia.

Os irmãos juntaram-se a Bulent Yilmaz e decidiram apostar em Mudurnu, na região do Mar Negro, uma pequena cidade termal localizada entre Istambul e Ankara, conhecida pelas suas fontes termais e águas milagrosas.

As luxuosas moradias possuem torres inspiradas em edifícios de Istambul, varandas brancas e tetos pontiagudos, estendendo-se numa área de 100 hectares. Os proprietários podem escolher entre três diferentes configurações, com decoração distinta. Em comum, têm um jacuzzi em cada piso, e têm a opção de incluir um elevador ou uma piscina interior.

Cada castelo tem acesso à água termal da região, que “cura doenças do estômago e pedras nos rins”, assim como “problemas de pele, reumatismo e hérnias discais”, disse Mezher Yerdelen ao jornal norte-americana.

O preço da moradia depende da localização, mas encontra-se entre os 350 mil e os 440 mil euros.

Ao início, o grupo Sarot, empresa dos irmãos, vendeu cerca de 350 casas a investidores árabes. O negócio parecia correr bem, beneficiado por uma conjuntura positiva – o Presidente Erdogan estabeleceu que quem comprasse uma propriedade no valor de 220 mil euros ganharia o direito à cidadania.

Mas o conto de fadas não durou muito tempo. Cincos anos depois do início do projeto, que previa a construção de 732 palácios, apenas cerca de 300 foram construídos na totalidade, e a maioria está abandonada.

Os motivos são muitos, mas principalmente o ataque terrorista no aeroporto de Istambul em 2016, a recessão económica, a subida abrupta da taxa de inflação, a desvalorização da lira turca e a descida dos preços do petróleo dificultaram a venda destes imóveis.

O grupo soma agora dívidas no valor de 23 milhões de euros mas mantém a cabeça erguida.

“Precisamos de vender apenas 100 moradias para saldar a nossa dívida”, explicou Mezher Yerdelen, que acredita que é possível superar a crise “em quatro a cinco meses e inaugurar parcialmente o projeto em 2019”.

Ler mais
Recomendadas

Broa de milho portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo para a CNN

No artigo, a broa de milho é descrita como um pão saudável, peneirado, amassado numa calha de madeira e tradicional do norte de Portugal.

Tudo por um ‘like’. Instagramers aproveitam motins nas ruas de Barcelona

Protestos violentos nas ruas catalãs serviam como fonte de inspiração de alguns influencers para obterem mais ‘likes’ nas suas contas do Instagram. Num momento de tensão nas ruas de Barcelona, as publicações foram criticadas por vários catalães.

PróToiro promete “diálogo civilizado e construtivo” com ministra que “sempre hostilizou o setor tauromáquico”

“Exageros do passado” de Graça Fonseca não foram esquecidos pela Federação Portuguesa de Tauromaquia, igualmente apreensiva com o peso que “partidos de matriz proibicionista” irão ter na Assembleia da República.
Comentários