PremiumPedro Castro e Almeida é o futuro CEO do Santander Totta

Com o fim do mandato dos membros dos órgãos sociais, António Vieira Monteiro passará a ‘chairman’ do Santander Totta.

António Vieira Monteiro vai deixar de ser o CEO do Banco Santander Totta e passará a chairman no próximo mandato. Para o lugar de CEO, vai suceder-lhe o atual administrador executivo, Pedro Castro e Almeida, apurou o Jornal Económico. Vieira Monteiro, questionado sobre o assunto esta semana pelo Jornal Económico, à margem da apresentação de resultados do banco, escusou-se a pronunciar sobre o tema, dizendo que “se trata de uma decisão do acionista”.

A mudança de cadeiras dos dois administradores surge no quadro da renovação dos órgãos sociais para o triénio 2019-2021. O atual mandato da administração acaba no próximo dia 31 de dezembro. A lista dos novos órgãos sociais vai ser avaliada pelo Banco Central Europeu, no âmbito do processo fit & proper (adequação e avaliação), e já deu entrada no Banco de Portugal, apurou o Jornal Económico. No entanto, o regulador bancário não comentou.

O Santander Totta vai assim manter o seu princípio de ter um CEO português. A eleição dos órgãos sociais do Banco Santander Totta (que passará a ter a marca Santander) ocorrerá em assembleia geral, que será convocada para o efeito e que deverá realizar-se até ao final deste ano. Não é ainda conhecida a lista completa da nova administração do banco português detido pelo espanhol Santander, mas a recondução de Manuel Preto, atual administrador financeiro, é dada como certa pelas nossas fontes.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumMadeira Wine Company mergulha na ciência para aprimorar Vinho da Madeira

Desenvolvimento de estudos científicos permitiu dar um salto qualitativo em termos da produção do Vinho da Madeira, diz Francisco Albuquerque, diretor de vinhos da Madeira Wine Company.

PremiumJaponeses da Marubeni querem assumir 100% da AGS

Grupo nipónico quer comprar à INCJ os 50% que não detém na gestora de concessões de abastecimento de águas e de tratamento de águas residuais.

PremiumCredores ameaçam tomar controlo da Brisal

Credores exigem 326 milhões à Brisal e uma redução do ‘fee’ anual de 12 milhões que a Brisa recebe pela manutenção da A17. Estado terá de validar ‘step in’. Brisa rejeita estratégia dos fundos – que pretendem retorno de 269% – e quer acordo que garanta viabilidade económica da concessão.
Comentários