Pedro Marques não se compromete com alterações às SCUT urbanas

O Governo está a preparar um plano para a próxima década, com o qual pretende aumentar a mobilidade e promover os transportes públicos. Qualquer alteração terá de fazer parte desse plano.

Cristina Bernardo

“Atribuíram-se prioridades negativas à nossa rede rodoviária”, assumiu o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques num debate sobre mobilidade e autoestradas pagas da responsabilidade da Associação Comercial do Porto (ACP). Mesmo assim, o ministro não quis comprometer-se com qualquer alteração específica ao nível da rede de autoestradas – ao contrário do que pretende a própria associação.

Antes da intervenção do ministro, o presidente daquela estrutura, Nuno Botelho, mostrou-se com esperança de que possam ser muito rapidamente alterações ao nível das principais redes que envolvem e penetram as duas áreas metropolitanas. Mas, a haver alguma alteração, ela vai demorar, até porque, recordou o ministro, as infraestruturas envolvidas nem sequer estão debaixo das mesmas estruturas de decisão.

O estudo e o debate que se lhe seguiu será, assegurou o ministro, será importante para o plano rodoviários mais geral que o Governo tem em preparação para a próxima década: “queremos um plano o mais consensual possível”, disse Pedro Marques.

“Será necessário encontrar planos para melhorar a VCI (Porto)”, admitiu o ministro, mas não sem uma visão global de todos os problemas: a própria supressão de alguns portais de casamento – por exemplo na CREP – não iria alterar a substância do problema maior da mobilidade.

“Estamos à procura de boas soluções” em conjunto com os principais ‘stakeholders’ – “sempre na promoção do transporte público” e “disponíveis para o debate – como era o caso desta segunda-feira.

Recomendadas

Respostas Rápidas. O que vai mudar nas reformas antecipadas?

As contas para a reforma são sempre complicadas, não só por causa da complexidade do sistema, qualquer que ele seja, mas porque os parâmetros estão constantemente a mudar. O ministro Vieira da Silva veio clarificar a lei.

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.
Comentários