Pedro Marques vai a Madrid acertar calendários de investimento na ferrovia

Próxima cimeira luso-espanhola deverá realizar-se em Portugal no próximo mês de maio, em local e data a definir.

Anouk Antony/REUTERS
Ler mais

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, vai amanhã a Madrid, acertar calendários e pormenores de certificações técnicas para os investimentos nas linhas ferroviárias entre Portugal e Espanha com o ministro espanhol do Fomento, Inigo de la Serna.

Como apurou o Jornal Económico, o ministro Pedro Marques vai acertar com o seu homólogo espanhol os pormenores dos convénios a serem assinados na próxima cimeira-luso-espanhola, cuja data ainda não está marcada.

O Jornal Económico apurou que a próxima cimeira luso-espanhola irá realizar-se em Portugal, em local a designar, e irá ocorrer provavelmente em maio.

O ‘dossier’ das ferrovias será o mais importante para debater entre entre Pedro Marques e Inigo de la Serna, com destaque para três eixos fundamentais: a ligação entre o porto de Sines e a fronteira com o Caia, em direção a Madrid; a ligação entre o porto de Aveiro e fronteira em Vilar Formoso, em direção a Salamanca; e a linha do Minho.

Além das questões de acerto de calendários destes investimentos ferroviários dos dois lados da fronteira, estarão em cima da mesa questões como a uniformização de bitolas ferroviárias entre os dois países e de tensão elétrica para alimentação dos comboios, além de assuntos mais específicos como as certificações técnicas.

Para uma maior celeridade neste processo, é intenção de Pedro Marques alinhar com Inigo de la Serna uma forma de intensificar os mecanismos de cooperação e de coordenação já existente entre as duas empresas estatais gestoras das redes de infraestruturas, respetivamente a IP – Infraestruturas de Portugal e a Adif.

No setor rodoviário também deverão ser tratadas algumas questões bilaterais, como as ligações de ‘last mile’ transfronteiriço, como a conclusão do IP5, entre Vilar Formoso e a fronteira, numa extensão de cerca de oito quilómetros.

Neste particular, a questão é saber como os dois países poderão encontrar formas conjuntas de potenciar a candidatura deste e de outros projetos aos fundos comunitários ainda disponíveis para este tipo de investimentos, como é o caso do CEF – Connecting Europe Facilities (Mecanismo Interligar a Europa).

A melhoria da interoperabilidade do sistema de cobrança de portagens entre os dois países é outro tema eterno da agenda das cimeiras luso-espanholas, não sendo a próxima edição uma exceção à regra, embora não se esperem grandes avanços.

Além das questões das infraestruturas, a próxima cimeira luso-espanhola deverá ainda ser marcada pelas questões bilaterais da central nuclear de Almaraz (ministérios do Ambiente) e da recente evasão de prisioneiros para Espanha (Administração Interna).

A questão da interligação das redes energéticas entre a Península Ibérica e o resto da Europa também deverá ser alvo de acordos nessa futura cimeira.

A questão da gestão das bacias hidrográficas dos rios comuns entre os dois países, cuja sustentabilidade em Portugal é ameaçada pelos constantes transvases efetuados nesses rios (Tejo, Douro e Guadiana) do lado de Espanha continua a ser um tema candente, mas quase sempre esquecido nestas cimeiras.

 

Recomendadas
Transparência: PS quer regresso da lista das subvenções vitalícias
A lista, composta na maioria por políticos reformados, deixou de ser publicada em maio, depois de surgirem dúvidas colocadas pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados.
Comissão parlamentar quer ouvir Manuel Pinho em 17 de outubro
Fonte parlamentar adiantou à agência Lusa que para 17 de outubro ficou agendada a audição do ex-ministro da Economia Manuel Pinho, sendo esta a última data deste lote de inquirições previstas.
João Lourenço: “Investimentos portugueses são bem-vindos”
O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou esta terça-feira que os investimentos diretos portugueses em todos os setores em Angola são “bem-vindos” e que Portugal pode assumir um papel relevante no desenvolvimento dos dois países.
Comentários