Pedro Sánchez procura mais influência em Bruxelas com aproximação a Merkel e Macron

O governo espanhol estará a tentar encontrar um caminho para se aliar às duas grandes potências europeias, que são Alemanha e França, para influir diretamente na política europeia de Bruxelas. A ideia terá sido abordada numa reunião na embaixada germânica, em Madrid.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, estará a tentar uma maior aproximação do conhecido eixo franco-alemão, hoje personalizado nas lideranças de Angela Merkel, na Alemanha, e de Emmanuel Macron, em França, para aumentar a influência de Espanha na política da União Europeia (UE), beneficiando da impopularidade do atual governo italiano e da saída do Reino Unido de Bruxelas.

Segundo o “El País”, a 6 de fevereiro, uma reunião de responsáveis espanhóis, franceses e alemães encontraram-se na embaixada germânica, em Madrid, Espanha, para acordar esta ideia que consistirá numa ação política concertada, embora fontes citadas pelo jornal espanhol digam que este projeto é, por enquanto, “brainstorm sem formato fixo”.

Naquela reunião, os líderes francês e alemão terão oferecido uma presença a Espanha no novo Tratado de Aachen (conhecido como o tratado de amizade entre os dois países, que estabelece a cooperação de ambos em matéria de política europeia), que Merkel e Macron assinaram no final de janeiro.

Ainda que não passe de uma ideia, há seis áreas de cooperação identificadas, segundo o “El País”, que poderão vir a incluir Espanha numa espécie de G3 europeu, dos quais se destaca a questão da migração dos refugiados e política monetária.

Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários