Pedro Sánchez procura mais influência em Bruxelas com aproximação a Merkel e Macron

O governo espanhol estará a tentar encontrar um caminho para se aliar às duas grandes potências europeias, que são Alemanha e França, para influir diretamente na política europeia de Bruxelas. A ideia terá sido abordada numa reunião na embaixada germânica, em Madrid.

EPA/Juan Carlos Hidalgo

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, estará a tentar uma maior aproximação do conhecido eixo franco-alemão, hoje personalizado nas lideranças de Angela Merkel, na Alemanha, e de Emmanuel Macron, em França, para aumentar a influência de Espanha na política da União Europeia (UE), beneficiando da impopularidade do atual governo italiano e da saída do Reino Unido de Bruxelas.

Segundo o “El País”, a 6 de fevereiro, uma reunião de responsáveis espanhóis, franceses e alemães encontraram-se na embaixada germânica, em Madrid, Espanha, para acordar esta ideia que consistirá numa ação política concertada, embora fontes citadas pelo jornal espanhol digam que este projeto é, por enquanto, “brainstorm sem formato fixo”.

Naquela reunião, os líderes francês e alemão terão oferecido uma presença a Espanha no novo Tratado de Aachen (conhecido como o tratado de amizade entre os dois países, que estabelece a cooperação de ambos em matéria de política europeia), que Merkel e Macron assinaram no final de janeiro.

Ainda que não passe de uma ideia, há seis áreas de cooperação identificadas, segundo o “El País”, que poderão vir a incluir Espanha numa espécie de G3 europeu, dos quais se destaca a questão da migração dos refugiados e política monetária.

Recomendadas

Camiões com ajuda humanitária destinada à Venezuela incendiados na fronteira com Colômbia

Dois camiões com ajuda humanitária destinada à Venezuela foram incendiados hoje no lado venezuelano de uma ponte na fronteira com a Colômbia, denunciou a deputada Gaby Arellano, que acusou a polícia nacional bolivariana de atear as chamas.

Rangel considera que movimento de contestação popular na Venezuela pode representar “ponto de viragem”

O eurodeputado Paulo Rangel disse hoje que a entrada de ajuda humanitária na Venezuela pela fronteira com a Colômbia estava às 17:30 bloqueada e que os relatos que chegam de contestação popular podem sinalizar “um ponto de viragem” no regime.

Venezuela: Nicolás Maduro anuncia corte de relações com a Colômbia

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou hoje o corte de relações diplomáticas e políticas com a Colômbia, país que acusa de apoiar os EUA num golpe de Estado contra o seu regime. “Decidi romper todas as relações políticas e diplomáticas com a Colômbia. Não se pode aceitar que continuem a disponibilizar o território colombiano para provocações contra a Venezuela”.
Comentários