“Pela paz dos venezuelanos sou capaz até de falar com o diabo”, afirma Nicólas Maduro

Objetivo da nova Assembleia Constituinte passa por promover o diálogo e a paz nacional, findar com a sabotagem opositora e com a guerra económica e reestruturar o Ministério Público.

HO/Reuters
Ler mais

O presidente venezuelano advertiu, esta segunda-feira, os opositores do regime de que irá “levantar imunidade parlamentar a quem houver para levantar”. Nicólas Maduro garantiu que vai agir contra “a burguesia parasita”, como solução da crise económica, assegurando que será feita “justiça”.

“Pela paz dos venezuelanos sou capaz de tudo, até de falar com o diabo se for necessário”, afirmou o presidente, citado pela agência Lusa. Referiu-se, entre outras medidas, à reestruturação do setor da justiça, no decorrer da celebração da eleição de membros da Assembleia Constituinte, que acusou a oposição de cobardia por não aceitar dialogar.

Maduro solicitou ainda à Comissão Nacional de Telecomunicações que fosse aberta uma investigação contra a estação televisiva privada Televen, acusando-a de dar prioridade à cobertura dos opositores e deixar para trás o processo eleitoral, segundo a Lusa.

Promover o diálogo e a paz nacional, findar com a sabotagem opositora, com a guerra económica e reestruturar o Ministério Público são os objetivos da nova Assembleia Constituinte. “Acabou-se a sabotagem da Assembleia Nacional. A Constituinte chegou para pôr ordem”, declarou o presidente citado pelo jornal.

Foram mais de oito milhões os venezuelanos (41,5% dos eleitores) que votaram na Assembleia Constituinte, composta por 545 membros, revelam os dados da Comissão Nacional Eleitoral. Por sua vez, a estimativa da oposição fica-se pelos 12%.

A Assembleia Constituinte vai tomar posse num prazo de 24 a 72 horas.

Relacionadas

Miguel Albuquerque: “A nossa prioridade é apoiar aqueles que regressam da Venezuela”

Para além da Venezuela o presidente do Governo Regional anunciou que vão existir obras de intervenção perto do campo do marítimo avaliados em cerca de 12 milhões de euros.

Menos de 42% dos venezuelanos votaram nas eleições de ontem

A oposição já tinha dito que as eleições de domingo tinham sido um fracasso. O regime de Maduro diz o contrário, mas os números são o que são: nem sequer metade dos venezuelanos quis ter a ver com a nova assembleia nacional constituinte.

Venezuela: Leitor eletrónico recusa cartão de cidadão de Maduro. “Esta pessoa não existe”

A intenção era mostrar ao povo venezuelano como funcionava o sistema de identificação nas eleições para a Assembleia Constituinte e incentivar outros a irem votar também. Mas o momento não saiu como o presidente da Venezuela esperava.

Oposição da Venezuela classifica de ‘fracasso’ a participação nas eleições

Freddy Guevara, primeiro vice-presidente do parlamento e representante da oposição ao Governo de Nicolás Maduro, revelou aos jornalistas que o processo fracassou. Contudo, o executivo falou de uma adesão maciça dos venezuelanos ao ato eleitoral.

“Quis ser o primeiro voto pela paz”: Voto de Maduro abre eleição

Assembleia Nacional Constituinte é criticada por vários governos, que pediram a Maduro para suspender a eleição. Um dos principais pontos questionados é a falta de um referendo prévio para autorizar o processo, um requisito adotado em 1999, quando a Carta Magna da Venezuela foi redigida e sancionada.

“Maioria dos portugueses quer permanecer no país”

Missões do Ministério estão a percorrer 10 mil quilómetros na Venezuela para chegar a todos os portugueses que aí vivem.
Recomendadas

‘Make America Great Again’. Fábrica que produz boné de Trump tem 80% de latinos

O chapéu que Donald Trump disseminou pelo país é um ícone da presidência. A ‘Business Insider’ foi visitar a fábrica, onde trabalham dezenas de latinos.

Quem quer afastar Theresa May? Conservadores britânicos conspiram contra a própria primeira-ministra

Parte do partido quer a saída de Thera May mal o Brexit aconteça (em março de 2019). Um documento interno elenca os principais candidatos à sucessão, onde, em lugar de destaque, está o atual ministro para o Brexit, Dominic Raab.

Bolsonaro seria um “desastre” como presidente, diz a ‘The Economist’

Em reportagem de capa, a revista compara o candidato do PSL a Trump, nos Estados Unidos, e a Rodrigo Duterte, nas Filipinas, e diz que sua admiração por ditadores é “preocupante”.
Comentários