Penhoras de contas bancárias chegam aos 960 milhões de euros desde 2013

O valor resultanta de 319.967 ordens de penhora eletrónicas registadas, de setembro de 2013 a novembro deste ano.

De setembro de 2013 a novembro deste ano foram penhorados 966,8 milhões de euros de contas bancárias em Portugal, resultantes de 319.967 ordens de penhora eletrónicas registadas, revela esta quarta-feira o Diário de Notícias/Dinheiro Vivo.

Os quase mil milhões de euros penhorados dizem respeito a valores acumulados, no entanto, estima-se que só em 2017 tenham sido feitas mais de 50 mil penhoras, na ordem dos 208 milhões de euros, segundo o matutino.

Os números foram divulgados ao jornal pela Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução, responsável por executar as dívidas que vão parar aos tribunais. A entidade sublinha que os novos processos estão a diminuir e o valor a aumentar devido ao facto de os agentes de execução estarem obrigados a observar um limite anual máximo de processos e à recuperação da economia e da situação financeira das famílias.

“Há cerca de dez anos, para se conseguir fazer uma penhora de um depósito era necessário enviar e receber umas 200 cartas (…). Antes, havia o risco de ficarem sem a casa e de o valor da venda desta não chegar para pagar o que deviam ao banco, o que obrigava depois a atuar sobre fiadores”, afirma ao DN/DV bastonário da Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução, José Carlos Resende.

Relacionadas

Simplex +: o que vai mudar no Fisco e na Segurança Social

Novas medidas apresentadas pelo Governo estão previstas para 2017 e 2018.

Leilões de bens penhorados recuperam 72 milhões de euros

Plataforma e-leilões é cada vez mais usada por credores para recuperar dívidas. Desde maio foram realizados 1.959 leilões. Bastonário da Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução garante que há mais “eficácia na ação executiva”.
Recomendadas

Chelsea FC está à venda: Abramovich quer 3,3 mil milhões de euros

Clube londrino pode mudar de mãos e já há um preço definido: quinze vezes mais do que foi investido pelo magnata russo há 15 anos.

Telefónica planeia vender filiais no México e América Central para reduzir dívida e valorizar em bolsa

Em causa estão as filiais da Telefónica no México, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Nicarágua e Panamá. A empresa de telecomunicações está a trabalhar neste cenário “há muitos meses” e as negociações estão “bastante avançadas”.

Pedro Proença em direto: os novos desafios do futebol profissional em Portugal

O presidente da Liga de Futebol Profissional está no International Club of Portugal para falar sobre o futebol português. Acompanhe em direto.
Comentários