Penso inteligente para feridas nasce na UMinho

Cientista Rui L. Reis garantiu uma bolsa de investigação para levar a inovação ao mercado. Scientist Rui L. Reis received a research grant to bring innovation to the market.

As feridas na pele são um problema social e económico. No Grupo 3B’s da Universidade do Minho trabalha-se num penso que vai ajudar a resolver este problema com impacto na vida de milhões de pessoas.
O projeto consiste num “penso/adesivo inovador à base de fibras de hidrogel, capaz de libertar na pele diversas biomoléculas, em alturas controladas, garantindo uma melhor e mais eficiente recuperação das feridas”, revela Rui L. Reis, que lidera o Grupo 3B’s, responsável pela descoberta.
Segundo explica, o novo patch pretende “melhorar substancialmente o tratamento das lesões cutâneas durante o tempo de cura, graças a um efeito dinâmico e cooperativo da tecnologia, e contribuir para reduzir custos no sistema de saúde”.
O passo seguinte é a produção de um protótipo do penso, que deverá estar pronto até final de 2020. O seu financiamento foi tornado possível por uma bolsa do Conselho Europeu de Investigação que o cientista acaba de receber, no valor de 150 mil euros.
Rui L. Reis, que também é vice-reitor para a Investigação e Inovação da UMinho, tem como objetivo, no final do projeto, criar oportunidades de negócio, através do lançamento de uma start-up, que levará o produto ao mercado.

Recomendadas

Internacionais crescem em todos os níveis do superior

Os alunos estrangeiros representam uma grande fatia dos jovens que estudam nas nossas universidade e politécnicos. Há cursos onde já ultrapassam em largo número os portugueses.

Trazer mais mundo para Lisboa

Nova diretora do The Lisbon MBA traz na bagagem experiência de vida e profissional que quer plasmar no desafio que tem pela frente: consolidar o mais internacional dos MBA portugueses.

As perspetivas dos gestores: como antecipar paradigmas e conseguir alocações de capital eficientes

A geopolítica e as alterações de paradigma são cruciais para entender a eficiente alocação de capital. Depois é preciso tentar antecipar as prováveis evoluções macro, tanto a nível setorial como geográfico.
Comentários