PremiumPerdão da dívida à CP dá acesso à banca em melhores condições

A dotação de capital de 1.815 milhões de euros para a transportadora ferroviária nacional resolve um problema de décadas, permitindo melhorar os seus rácios financeiros e recorrer aos mercados em melhores condições numa fase de grande investimento em material circulante.

A dotação de capital de 1.815 milhões de euros à CP, inscrita no Orçamento do Estado para 2022, poderá resolver uma série de problemas que subsistem na transportadora ferroviária nacional desde há décadas. Obrigada a prestar um serviço público que faculte o transporte a pessoas mais desfavorecidas e mais afastadas dos centros urbanos, a CP foi acumulando défices operacionais, em particular no serviço regional, mas não só. A situação tornou-se quase incomportável nos últimos anos, com a CP a atingir uma dívida estratosférica, um lastro que lhe tolhia os movimentos e lhe sugava os poucos recursos que a empresa ia conseguindo retirar da sua operação comercial para ajudar a pagar os juros, o chamado serviço da dívida. A juntar a estas condições, o serviço da empresa foi-se degradando, as frotas de comboios da CP ou ultrapassaram ou estão perto de atingir o limite aconselhado de vida, as condições de trabalho deterioraram-se, a inovação e a aposta nas tecnologias tornou-se uma miragem.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

UGT desiludida com chumbo que compromete medidas positivas para trabalhadores

O sindicalista considerou que a proposta de OE2022 “não era o OE desejável, era pouco ambicioso, mas continha alguns avanços importantes”, como o crescimento do salário mínimo até 2025 , o aumento das pensões, a melhoria da fiscalidade e algumas alterações à legislação laboral, nomeadamente a reposição do valor das horas extraordinárias e o aumento do valor das indemnizações por despedimento.

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.
Comentários