Perfil: Azeredo Lopes, um polemista que encalhou em Tancos

Não vira as costas a um bom debate mas, nos corredores da faculdade onde deu aulas, era considerado um professor distante e reservado. E parece que é boavisteiro, apesar de se dar com portistas.

António Cotrim/Lusa

Tornou-se mais conhecido dos portugueses como comentador de assuntos políticos e nunca virava as costas a uma boa discussão ideológica. José Alberto Azeredo Lopes – que deixou de resistir aos muitos que há muito (desde Tancos) o consideravam um dos erros de casting do atual executivo – deu sempre mostras de estar intelectualmente à vontade no meio de uma boa refrega de palavras e mostrava mesmo algum propensão para se atirar para o olho do furacão sempre que isso fosse viável.

Por definição, alguém que está a isso disposto tem de gostar do confronto virulento, de esgrimir argumentos e de ser duro na defesa dos seus pontos de vista. Talvez por isso, os alunos que lhe passaram pelas mãos no curso de Direito da Católica do Porto tendem a considerar que Azeredo Lopes está no patamar dos pequenos ditadores. ‘Intolerante’, ‘pouco acessível’, ‘indisponível para tirar dúvidas’, foram alguns dos atributos recolhidos.

Tendo preferido sempre a vida académica a uma carreira profissional mais ligada à advocacia, não deixou de criar alguma surpresa quando foi convidado para liderar a Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Nessa altura, como sempre, esgrimiu poderosa argumentação quando, fazendo parte de um grupo fechado de jornalistas (no Facebook), alguém se lembrou de o expulsar. Isso não chegou a acontecer.

Foi já com muito menos espanto que assumiu o cargo de ministro da Defesa, que deixa agora sem pompa, acossado pelas críticas vindas de quase todo o lado.

Professor Associado da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, Porto, onde lecionava disciplinas na área do direito internacional, é Doutorado em Direito, Ciências Jurídico-Políticas pela mesma universidade, possui ainda o diploma do Instut Européen des Hautes Études Internaonales (1985). Foi consultor em questões de direito internacional e membro da direção do International Instute for Asian Studies and Interchange. Foi ainda relator numa missão de observadores internacionais a quando da consulta popular em Timor-Leste sobre a independência (1999) e relator para o sector judicial da Missão do Banco Mundial a Timor-Leste (1999).

Antes disso havia sido bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian (1985/1985) e do governo holandês (1990) e foi membro do grupo de trabalho sobre Serviço Público de Televisão (2002). Negociou, em representação do ministro da Presidência do Conselho de Ministros do XV Governo Constitucional, Nuno Morais Sarmento, o Protocolo RTP-SIC-TVI, assinado em 21 de Agosto de 2003, e foi responsável pelo acompanhamento da sua execução.

Tudo isto é referido na nota biográfica que consta dos artigos da ERC, que, curiosamente, concluiu o perfil do agora ex-ministro afirmando que é boavisteiro. O que não o impediu de ser, entre 2013 e 2015, chefe de Gabinete do presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, um empedernido portista que não quer mais cargos políticos quando deixar a autarquia.

 

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas: Como Azeredo Lopes passou de “ativo importante” a demissionário?

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, apresentou a sua demissão ao primeiro-ministro, António Costa, esta sexta-feira, dia 12. Saiba o que esteve na base da demissão do ministro.

Marcelo Rebelo de Sousa aceita exoneração de Azeredo Lopes

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, apresentou a sua demissão ao primeiro-ministro, António Costa, esta sexta-feira, dia 12 de outubro. Marcelo Rebelo de Sousa aceitou a proposta do primeiro-ministro.

Demissão de Azeredo Lopes: partidos falam em consequências políticas de “erro gravíssimo”

Ministro da Defesa apresentou esta tarde a demissão ao primeiro-ministro. Partidos já reagiram à saída de Azeredo Lopes.

Azeredo Lopes demite-se para poupar Forças Armadas de “ataque político”

O ministro cessante voltou a negar que tenha tido conhecimento, “direto ou indireto, sobre uma operação em que o encobrimento se terá destinado a proteger o, ou um dos, autores do furto”, em carta do até agora ministro da Defesa para António Costa.
Recomendadas

Jerónimo de Sousa diz que PSD é um “pronto-socorro” e CDS-PP é um “atrelado” do Governo

O secretário-geral do PCP acusou os partidos da direita de se aliarem ao Governo do PS no que respeita à legislação laboral. Por outro lado, voltou a defender um aumento do salário mínimo nacional que “não se limite aos 600 euros” em 2019.

Catarina Martins: “Existem estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos”

A líder do Bloco de Esquerda acusa “os partidos da direita” de “hipocrisia” por “defenderem as reivindicações sindicais”, alerta para “estrangulamentos injustificáveis nos serviços públicos” e diz que “não faz sentido esta corrida para o défice zero”.

PSD acusa Governo de “destruir” Serviço Nacional de Saúde

No último debate quinzenal do ano, Fernando Negrão considerou que as políticas adotadas na área da saúde são “as mais preocupantes” desta legislatura e afirmou que o Governo não tem “respeito nenhum” pelos sindicatos e pelas ordens.
Comentários