Peso da hotelaria nas dormidas cai na Madeira mas ainda representa 83,7%

O alojamento local subiu 5% e já pesa 14,3% nas dormidas da Madeira.

O peso da hotelaria nas dormidas caiu em abril 6,7% em comparação com o período homólogo mas ainda tem uma influência de 83,7% neste parâmetro. O alojamento local subiu 5% e já pesa 14,3%, diz a Direção Regional de Estatística (DREM).

Em abril as dormidas registaram uma perda de 4,9% mas esta perda foi compensada por acréscimos de 0,5 e 0,1% nos proveitos totais e de alojamento que se fixaram nos 37,3 e nos 24,7 milhões de euros.

A subir está também as dormidas no espaço rural e de habitação com um acréscimo de 12,6% e com um peso de 2%.

Os mercados da Grã-Bretanha, França e Alemanha continuam a cair na ordem dos 9,5%, 5,4% e 2,6% diz a DREM. Em abril a taxa de ocupação-cama ficou nos 64,8% o que também é uma quebra de 6,6%.

O rendimento médio por quarto (RevPAR) na hotelaria caiu 1,7% para os 57,05 euros.

Recomendadas

Madeira: PCP propõe gabinete para micro e pequenas empresas acederem a medidas de apoio ao coronavírus

Os comunistas madeirenses alertam que o acesso aos apoios às empresas, que foram decretados pelos governos, requerem um conjunto de actos burocráticos que muita micro e pequenas empresas da região não vão ter condições humanas e técnicas para poder concretiza-las e para aceder aos referidos apoios.

Câmara do Funchal lança guia de boas práticas para comerciantes lidarem com coronavírus

Este guia reúne as práticas a adotar nesta nova fase de modo a que os empresários possam proceder à reabertura dos seus espaços comerciais em plena segurança, explicou Miguel Gouveia, presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Coronavírus: Madeira vai manter estratégia de controlo de entrada de passageiros

O presidente do Governo da Madeira disse que a única forma que temos de controlar focos potenciais do vírus na região, e de proteger a vida dos cidadãos passa por se a capacidade de controlarmos as entradas na região. Miguel Albuquerque refere que “não estão a ser violados Direitos, Liberdades e Garantias. Estamos para proteger outros direitos, como o direito à saúde e à vida da restante população, para restringir e salvaguardar desses potenciais focos de infeção”, acrescentou o governante.
Comentários