Petróleo negoceia em máximos de três anos e meio

Na quinta-feira, o Brent tocou nos 80,50 dólares por barril. O Goldman Sachs admite a superação dos 80 dólares, dependendo dos eventos geopolíticos e o Bank of America prevê que o mercado petrolífero supere os 100 dólares já em 2019.

Na sessão bolsista de quinta-feira o mercado petrolífero atingiu máximos de três anos e meio, depois de há cerca de uma semana o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter anunciado a saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão. Esse anúncio levou a uma queda das reservas de petróleo nos EUA e os receios de novas sanções à Venezuela aumentaram, em torno de constrangimentos  na oferta.

Ontém, no mercado londrino, o Brent chegou a ser negociado a 80,50 dólares por barril e o crude, barril WTI, tocou nos 72,30 dólares. A possibilidade destas commodities caminharem para os 100 dólares é real, devido às tensões geopolíticas.

Para o Bank of America, a barreira dos 100 dólares pode ser alcançada e superada já em 2019.

Esta sexta-feira, o Brent segue com uma valorização de 0,30%, para 79,54 dólares, e o WTI negoceia nos 71,59 dólares, com uma variação positiva de 0,14%.

Recomendadas

OE2017: Carga fiscal atinge 34,4% do PIB no ano passado

Segundo dados atualizados do INE, a carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,1% em 2016 para 34,4% em 2017, igualando assim o valor registado apenas em 2015, último ano do Governo liderado por Pedro Passos Coelho.

Energias renováveis: Portugueses entre os que mais consomem energia ‘limpa’ na União Europeia

Portugal conquistou a medalha de bronze no pódio, sendo o terceiro país na União Europeia que maior percentagem das suas necessidades energéticas são satisfeitas com energias renováveis.

“Isenção, imparcialidade e rigor”: o que espera Assunção Cristas da nova PGR

Cristas lembrou que desde 2010 que o CDS defende que “deve haver um maior escrutínio nestas escolhas, nomeadamente, através de audições públicas a realizar no parlamento”.
Comentários