Petróleo ultrapassa os 70 dólares e energia dá ganhos a Wall Street

O setor energético esteve em destaque esta quinta-feira, com as fortes valorizações no mercado petrolífero. As principais bolsas nos EUA voltaram ao verde e fecharam a renovar máximos.

Andrew Kelly/Reuters

Quarta-feira parece ter sido uma exceção para as bolsas norte-americanas, que regressaram à tendência de ganhos que tem sido característica desde o início do ano. Wall Street fechou no verde, com a energia a destacar-se, impulsionada pelas valorizações dos preços do petróleo.

O industrial Dow Jones avançou 0,81% para 25.574,73 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 subiu 0,70% para 2.767,56 pontos e o Nasdaq ganhou 0,81% para 7.211,77 pontos.

O setor energético do S&P disparou mais de 2%, depois de o Brent ter ultrapassado os 70 dólares por barril pela primeira vez desde dezembro de 2014.

O preço da matéria-primeira está a ser impulsionado por uma descida inesperada da produção de petróleo nos Estados Unidos e pela continuação dos cortes na oferta pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP). A corrigir dos fortes ganhos, o brent negoceia em Londres a descer 0,10% para 69,13 dólares por barril e o crude WTI desliza, em Nova Iorque, 0,02% para 63,56 dólares por barril.

“O fator unificador dos movimentos de hoje e de toda esta semana é uma confiança no ritmo da atividade económica. Isso ajuda a explicar o cenário de procura, que levou o petróleo acima dos 70 dólares”, explicou o estrategista chefe de investimento da Brown Brothers Harriman, Scott Clemons, em declarações à agência Reuters.

“Parece que o mercado está a respirar fundo esta semana antes uma série de relatórios de contas. É um modo de esperar para ver, com uma quantidade saudável de otimismo”, acrescentou Clemons, sobre os ganhos da semana, que refrearam esta quarta-feira.

Um relatório em que a China sinalizada intenções de diminuir a compra de obrigações dos EUA e notícias que Donald Trump estaria próximo de abandonar o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) abalaram os mercados e levaram as yields das obrigações norte-americanas para máximos de 10 meses.

Esta quinta-feira, os juros das Treasuries a 10 anos avançam 2,2 pontos base para 2,53%. No mercado cambial, o dólar deprecia-se 0,70% contra o euro, 0,23% contra a libra e 0,19% contra o iene japonês.

Ler mais
Relacionadas

Barril de Brent fecha em alta de 69,26 dólares com novo máximo desde 2014

O petróleo do Mar do Norte, de referência na Europa, terminou a sessão no International Exchange Futures com um acréscimo de 0,06 dólares face à última negociação, quando fechou a 69,20 dólares.

BCP e EDP levam PSI 20 para o vermelho

A Bolsa de Lisboa inverteu esta tarde a tendência dos últimos dias e fechou com perdas. O petróleo ultrapassou os 70 dólares pela primeira vez em três anos e os juros da dívida de Portugal não estavam tão próximos das ‘yields’ da Alemanha desde 2010.

Preocupações diminuem e otimismo regressa a Wall Street

As principais bolsas norte-americanas iniciaram a sessão com ganhos, o dólar valoriza face ao euro e os preços do petróleo continuam em máximos desde dezembro de 2014.

Aprovada lei que permite aos EUA reunir informação digital estrangeira

Serviços de inteligência norte-americanos podem agora reunir informações digitais no estrangeiro, sem mandado judicial.

Subida do PIB da OCDE abranda para os 0,7% entre julho e setembro

O Produto Interno Bruto (PIB) dos 35 países da OCDE cresceu 0,7% no terceiro trimestre do ano passado, face aos 0,8% dos três meses precedentes, devido a uma menor contribuição do consumo privado e do investimento.
Recomendadas

‘Homebanking’ do Banco Carregosa adota autenticação com reconhecimento facial

O sistema biométrico, em que o cliente olha para o telefone para validar as operações ou confirmar o ‘login’, cumpre pelo menos dois dos três requisitos exigidos nos padrões internacionais de segurança. A app mobile foi desenvolvida pela tecnológica portuguesa Polygon para os sistemas operativos IOS e Android.

NOS e Sonae Capital lideram na abertura da Bolsa de Lisboa

Os analistas do BPI salientam que, atualmente, “o desempenho dos índices americanos é o principal catalisador das bolsas do ‘Velho Continente’”.
Comentários