PEV reivindica “papel determinante” nos avanços que foram feitos durante esta legislatura

Na reunião da Comissão Permanente, que substitui o plenário durante as férias e encerra a legislatura, Heloísa Apolónia afirmou que a atual solução política veio mostrar que a inevitabilidade é “uma mentira” e alertou que uma maioria do PS nas legislativas de outubro não hesitará em recuar nos “avanços” conseguidos.

A deputada do Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV), Heloísa Apolónia, reivindicou esta quarta-feira um “papel determinante” nos avanços que foram feitos durante esta legislatura. Heloísa Apolónia diz que a atual solução política veio mostrar que a inevitabilidade é “uma mentira” e alertou que uma maioria do PS nas legislativas de outubro não hesitará em recuar nos “avanços” conseguidos.

“Nesta legislatura, promoveram-se avanços para os quais o PEV foi determinante e que puseram fim a uma política seguida por anteriores Governos, incluindo do PS, que determinava que o empobrecimento dos portugueses era condição para que o país melhorasse e que apostava no desinvestimento de setores muito importantes”, afirmou Heloísa Apolónia, na reunião da Comissão Permanente, que substitui o plenário durante as férias e encerra a legislatura.

Heloísa Apolónia disse ainda que, nesta legislatura, foi possível mostrar que “a inevitabilidade é uma mentira contada à medida dos interesses políticos”. Exemplo disso, disse, foram a redução dos passes sociais, a reposição de rendimentos e “os passos dados para combater pobreza e desemprego”.

“O PEV não deixou de fora da posição conjunta com o PS – que aceitou por precisava de nós – um conjunto de medidas determinantes para garantir melhores condições de desenvolvimento sustentável e melhores padrões ambientais”, concretizou. E alertou: “é preciso que a correlação de forças contribua para prosseguir esses avanços que foram feitos”.

A deputada do PEV elencou ainda que várias áreas em que é preciso fazer mudanças como, nos transportes públicos, que têm de ser melhorados e tem de ser reforçada a oferta, bem como na redução da aposta nas monoculturas de eucalipto e em culturas intensivas, sobretudo no Alentejo.

Heloísa Apolónia alertou ainda que “o PSD e CDS só contribuem para recuar e o PS com maioria absoluta não hesitaria em recuar”. “São cenários que o país já experimentou, mas que não deram resultado. Da parte do PEV asseguramos que faremos sempre parte dos avanços de uma forma ativa e construtiva para gerar maior sustentabilidade no desenvolvimento, maior justiça social. Com determinação e confiança contribuiremos sempre para avançar”, disse.

Ler mais
Recomendadas

CGTP avisa Governo para não subestimar os sindicatos

Arménio Carlos afirmou que no dia 1 de outubro, a poucos dias das eleições, haverá forte contestação à entrada em vigor das alterações à lei laboral.

António Costa reconhece negociações difíceis para novo Quadro Comunitário de Apoio

O primeiro-ministro alerta que está em curso na União Europeia a criação de um instrumento de orçamento para a convergência e competitividade que deverá ter um bolo de cerca de 22 mil milhões de euros, a que Portugal tem condições especiais para se candidatar.

António Costa já tem parecer da PGR sobre contratos com empresas de familiares de governantes

Primeiro-ministro já tem em mãos parecer da PGR sobre contratos do Estado com empresas de familiares de governantes.
Comentários