PGR: Passos Coelho diz que faltou “decência” para justificar saída de Joana Marques Vidal

Nestes anos de mandato, que a Constituição determina poder ser renovável, entendeu quem pode que a senhora procuradora deveria ser substituída. Não houve, infelizmente, a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição”, escreve Passos Coelho, num artigo de opinião publicado na quinta-feira no jornal ‘online’ Observador.

Pedro Passos Coelho

O ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho disse que faltou “decência” para “assumir com transparência” os motivos que levaram à substituição de Joana Marques Vidal como procuradora-geral da República (PGR), cargo que será ocupado por Lucília Gago.

“Nestes anos de mandato, que a Constituição determina poder ser renovável, entendeu quem pode que a senhora procuradora deveria ser substituída. Não houve, infelizmente, a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição”, escreve Passos Coelho, num artigo de opinião publicado na quinta-feira no jornal ‘online’ Observador.

O Presidente da República anunciou esta noite, no ‘site’ da Presidência, a escolha da procuradora-geral adjunta Lucília Gago para substituir Joana Marques Vidal, por proposta do Governo, como nova procuradora-geral da República.

O ex-primeiro-ministro social-democrata, que propôs em 2012 a nomeação de Joana Marques Vidal para o cargo de PGR, defende que se preferiu a “falácia da defesa de um mandato único e longo para justificar a decisão”.

“A Constituição não contém tal preceito, e é público que um preceito desta natureza, há anos defendido pelo Partido Socialista, foi recusado em termos de revisão constitucional, sobra claro que a vontade de a substituir resulta de outros motivos que ficaram escondidos”, acusou o antigo presidente do PSD.

No seu artigo, Passos Coelho prestou ainda um reconhecimento público pela “ação extraordinária” que Joana Marques Vidal desenvolveu no topo da hierarquia do Ministério Público.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: O que está em causa no parecer da PGR sobre a greve dos enfermeiros?

A PGR declarou ilícita a greve dos enfermeiros. Saiba quais as razões invocadas, o que está em causa e quais as reações dos sindicatos e da Ordem dos Enfermeiros.

Processo do ‘hacker’ Rui Pinto não foi debatido na conferência sobre o ‘Football Leaks’

A reunião da Eurojust, que decorreu esta terça-feira na sede do organismo europeu de cooperação judiciária, em Haia, na Holanda, serviu para discutir os processos de fraude fiscal associados ao ‘Football Leaks’.

Greve dos enfermeiros: PGR diz que adesão a greve ilícita dá direito a falta injustificada

O parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) indica que a adesão a uma greve contrária à lei é “falta injustificada” e deve ser considerada como “infração disciplinar” e punida com “desconto do tempo de greve na retribuição e na antiguidade”.
Comentários