PGR: Passos Coelho diz que faltou “decência” para justificar saída de Joana Marques Vidal

Nestes anos de mandato, que a Constituição determina poder ser renovável, entendeu quem pode que a senhora procuradora deveria ser substituída. Não houve, infelizmente, a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição”, escreve Passos Coelho, num artigo de opinião publicado na quinta-feira no jornal ‘online’ Observador.

Pedro Passos Coelho

O ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho disse que faltou “decência” para “assumir com transparência” os motivos que levaram à substituição de Joana Marques Vidal como procuradora-geral da República (PGR), cargo que será ocupado por Lucília Gago.

“Nestes anos de mandato, que a Constituição determina poder ser renovável, entendeu quem pode que a senhora procuradora deveria ser substituída. Não houve, infelizmente, a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição”, escreve Passos Coelho, num artigo de opinião publicado na quinta-feira no jornal ‘online’ Observador.

O Presidente da República anunciou esta noite, no ‘site’ da Presidência, a escolha da procuradora-geral adjunta Lucília Gago para substituir Joana Marques Vidal, por proposta do Governo, como nova procuradora-geral da República.

O ex-primeiro-ministro social-democrata, que propôs em 2012 a nomeação de Joana Marques Vidal para o cargo de PGR, defende que se preferiu a “falácia da defesa de um mandato único e longo para justificar a decisão”.

“A Constituição não contém tal preceito, e é público que um preceito desta natureza, há anos defendido pelo Partido Socialista, foi recusado em termos de revisão constitucional, sobra claro que a vontade de a substituir resulta de outros motivos que ficaram escondidos”, acusou o antigo presidente do PSD.

No seu artigo, Passos Coelho prestou ainda um reconhecimento público pela “ação extraordinária” que Joana Marques Vidal desenvolveu no topo da hierarquia do Ministério Público.

Ler mais
Recomendadas

Donos do histórico café Ribamar pedem 8,1 milhões de euros à Câmara de Oeiras

A primeira sessão do julgamento, com vista à fixação do valor da indemnização a pagar pela Câmara Municipal de Oeiras aos donos do antigo café Ribamar, está agendada para as 10 horas de amanhã no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa (TACL), no Campus da Justiça.

“Escolha da PGR foi mal tratada e criou dúvidas”, realça bastonário da Ordem dos Advogados

Guilherme Figueiredo foi o convidado do programa “Decisores”, que será emitido hoje no ‘site’ do JE, e defende que se os processos não correrem vai-se culpar Lucília Gago e não é justo.

Marcelo espera que Lucília Gago projete em seis anos “marcante legado” da sua antecessora

O Presidente da República defendeu hoje que a nova procuradora-geral da República, Lucília Gago, tem condições para “projetar e enriquecer” nos seis anos em que estiver no cargo “o marcante legado” da sua antecessora, Joana Marques Vidal.
Comentários