PremiumPharol admite pôr nova ação de 3,75 mil milhões contra Oi e acionistas

A Pharol avança com ação contra a Oi e pede mais de dois mil milhões de indemnização. Mas pode ainda vir a pedir mais 3.750 milhões.

“Em março de 2010, antes de entrar no capital social da Oi com 3,75 mil milhões de euros, a Pharol valia, em bolsa, cerca de 7 mil milhões de euros; em 2014, com a subscrição em espécie do aumento de capital da Oi, a Pharol entregou ativos avaliados em cerca de 2 mil milhões de euros. Ou seja, os atuais 88.000 acionistas da Pharol tinham 100% de uma empresa que valia, em bolsa, 7 mil milhões de euros e que tinha ativos operacionais, entre os quais a PT Portugal, SGPS, entretanto vendida à Altice por 5,8 mil milhões de euros, e têm hoje, fruto da conduta desleal e da violação de deveres legais pela Oi, 100% de uma empresa que vale apenas 135 milhões de euros”, acusa a Pharol na ação que deu entrada no  Juízo Central Cível – Juiz 18 do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa na passada quarta-feira.

A Pharol avançou assim com a ação principal contra a Oi, pedindo uma indemnização de 2 mil milhões de euros, anunciou a empresa em comunicado. A Pharol quer  recuperar parte dos prejuízos resultantes do investimento que à data a PT SGPS fez na Oi e por isso deu entrada no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa com a ação principal “visando a condenação da Oi no pagamento à Pharol de uma indemnização em dinheiro no valor total de 2.017.108.646,58 euros [2,017 mil milhões de euros], incluindo juros de mora vencidos e vincendos”, diz a empresa liderada por Luís Palha da Silva.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

“Temerária e oportunista”. Oi diz desconhecer ação judicial da Pharol

No início do mês, a Pharol deu entrada com uma ação judicial visando o pagamento de um indemnização de 2,017 milhões de euros pela Oi.

Pharol avança com ação contra a Oi e pede dois mil milhões de indemnização

Pharol pede à Oi uma indemnização em dinheiro no valor total de 2,017 mil milhõesincluindo juros de mora vencidos e vincendos. “A ação funda-se na responsabilidade civil da Oi, visando recuperar parte dos prejuízos que foram causados à Pharol resultantes da violação de deveres legais e de conduta a que a Oi estava obrigada e de direitos da Pharol e dos seus acionistas”, diz o comunicado enviado à CMVM.
Recomendadas

Uber investe dois milhões de euros para formar motoristas

Com a entrada em vigor da nova lei, os motoristas são obrigados a ter formação obrigatória para poderem inscrever-se junto do Instituto da Mobilidade e dos Transportes para poderem exercer a profissão. Atualmente, os serviços da Uber cobrem as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e, ainda, a região do Algarve e as cidade de Braga e Guimarães.

Mais de 27 mil bancários terão de ter formação até março para dar crédito

A necessidade desta formação decorre de uma diretiva do crédito hipotecário, que em entrou em vigor no mês de janeiro.

Agências de viagens dizem que o “maior problema é a performance da TAP“

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) afirma que “o maior problema” que estas empresas enfrentam atualmente é a TAP.
Comentários