Pharol processa brasileira Oi por perdas de 10 mil milhões de euros

É uma mega-ação judicial a que a Pharol entregou no Tribunal Judicial de Lisboa por perdas de 10 mil milhões devido à ocultação da real situação da Oi à data da “Combinação de Negócios” com, na altura, a PT SGPS.

A Pharol SGPS avançou com uma ação no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa contra a Oi e as suas empresas que eram do Grupo PT. Na ação, a ex-PT SGPS acusa a empresa brasileira de esconder a verdadeira situação financeira à data da “Combinação de Negócios”, o que, segundo o processo consultado pelo Jornal Económico, está demonstrado no facto de a Oi ter recebido da PT uma significativo encaixe e apesar disso estar hoje um Plano de Recuperação Judicial.

Isto “dois anos depois e no ano imediatamente seguinte à renegociação da “Combinação de Negócios” imposta aos acionistas da Pharol e que levaram a um encaixe adicional para a Oi de cerca de 5,8 mil milhões de euros com a venda da PT Portugal à Altice. A Pharol elenca ainda o encaixe das quantias e bens entregues aquando do aumento de capital da Oi, em maio de 2014, no montante de aproximadamente dois mil milhões de euros, somados aos 3,75 mil milhões já entregues pela empresa liderada por Luís Palha da Silva aquando da entrada no capital da Oi.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

OYAK efetiva aquisição da Cimpor

Maior fundo de pensões turco, que realiza investimentos estratégicos em setores lucrativos, confirma aquisição da Cimpor. Os ativos da Cimpor em Portugal e em Cabo Verde vão assim para a ‘mão’ dos turcos, depois de, em 2012, terem sido comprados pela empresa brasileira InterCement.

Elon Musk anuncia que vai despedir 7% dos trabalhadores da Tesla

Cerca de três mil trabalhadores da produtora automóvel norte-americana serão despedidos. O aumento de custos devido à produção do novo Model 3 é a principal razão para os despedimentos.

Caixa reduz preço do financiamento do programa Casa Eficiente

A redução de taxas traduz-se agora em spreads disponíveis a partir de 1,05%, incluindo a bonificação de 0,25% associada a esta solução da CGD.
Comentários