Pharol processa brasileira Oi por perdas de 10 mil milhões de euros

É uma mega-ação judicial a que a Pharol entregou no Tribunal Judicial de Lisboa por perdas de 10 mil milhões devido à ocultação da real situação da Oi à data da “Combinação de Negócios” com, na altura, a PT SGPS.

A Pharol SGPS avançou com uma ação no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa contra a Oi e as suas empresas que eram do Grupo PT. Na ação, a ex-PT SGPS acusa a empresa brasileira de esconder a verdadeira situação financeira à data da “Combinação de Negócios”, o que, segundo o processo consultado pelo Jornal Económico, está demonstrado no facto de a Oi ter recebido da PT uma significativo encaixe e apesar disso estar hoje um Plano de Recuperação Judicial.

Isto “dois anos depois e no ano imediatamente seguinte à renegociação da “Combinação de Negócios” imposta aos acionistas da Pharol e que levaram a um encaixe adicional para a Oi de cerca de 5,8 mil milhões de euros com a venda da PT Portugal à Altice. A Pharol elenca ainda o encaixe das quantias e bens entregues aquando do aumento de capital da Oi, em maio de 2014, no montante de aproximadamente dois mil milhões de euros, somados aos 3,75 mil milhões já entregues pela empresa liderada por Luís Palha da Silva aquando da entrada no capital da Oi.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Barragem do Fridão: Marques Mendes diz que Governo não vai avançar com construção

O comentador revelou que o Governo vai travar o projeto, contudo falta saber como indemnizar a EDP.

Uber pode comprar rival saudita Careem Networks por 2,6 mil milhões de euros

A Uber quer entrar em bolsa com uma valorização de 106 mil milhões de euros e isso inclui a aquisição da saudita Careem Networks, por 2,6 mil milhões de euros.

Huawei: Bruxelas pede informação aos estados-membros sobre telecomunicações, contornando “pressão” dos EUA

O pedido da UE consiste numa avaliação rápida de cada Estado-membro às suas redes e sistemas de telecomunicações, sobretudo as que já têm propriedades 5G, para detetar as áreas de maior risco. Esta é uma medida não-vinculativa que contrasta com a ação endurecida de Washintgon.
Comentários