Pharol processa brasileira Oi por perdas de 10 mil milhões de euros

É uma mega-ação judicial a que a Pharol entregou no Tribunal Judicial de Lisboa por perdas de 10 mil milhões devido à ocultação da real situação da Oi à data da “Combinação de Negócios” com, na altura, a PT SGPS.

A Pharol SGPS avançou com uma ação no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa contra a Oi e as suas empresas que eram do Grupo PT. Na ação, a ex-PT SGPS acusa a empresa brasileira de esconder a verdadeira situação financeira à data da “Combinação de Negócios”, o que, segundo o processo consultado pelo Jornal Económico, está demonstrado no facto de a Oi ter recebido da PT uma significativo encaixe e apesar disso estar hoje um Plano de Recuperação Judicial.

Isto “dois anos depois e no ano imediatamente seguinte à renegociação da “Combinação de Negócios” imposta aos acionistas da Pharol e que levaram a um encaixe adicional para a Oi de cerca de 5,8 mil milhões de euros com a venda da PT Portugal à Altice. A Pharol elenca ainda o encaixe das quantias e bens entregues aquando do aumento de capital da Oi, em maio de 2014, no montante de aproximadamente dois mil milhões de euros, somados aos 3,75 mil milhões já entregues pela empresa liderada por Luís Palha da Silva aquando da entrada no capital da Oi.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Uber investe dois milhões de euros para formar motoristas

Com a entrada em vigor da nova lei, os motoristas são obrigados a ter formação obrigatória para poderem inscrever-se junto do Instituto da Mobilidade e dos Transportes para poderem exercer a profissão. Atualmente, os serviços da Uber cobrem as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e, ainda, a região do Algarve e as cidade de Braga e Guimarães.

Mais de 27 mil bancários terão de ter formação até março para dar crédito

A necessidade desta formação decorre de uma diretiva do crédito hipotecário, que em entrou em vigor no mês de janeiro.

Agências de viagens dizem que o “maior problema é a performance da TAP“

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) afirma que “o maior problema” que estas empresas enfrentam atualmente é a TAP.
Comentários