PiS com resultados modestos nas eleições regionais da Polónia

Este resultado dá maior força ao Partido da Lei e da Justiça no seu conflito com a União Europeia sobre os padrões democráticos. Os resultados finais das eleições serão divulgados pela comissão eleitoral a meio da próxima semana.

O Partido da Lei e da Justiça (PiS), da Polónia, obteve um resultado modesto no governo regional nas eleições deste domingo, 21 de outubro, segundo uma sondagem à boca das urnas. Um resultado que dá maior força ao Partido da Lei e da Justiça no seu conflito com a União Europeia sobre os padrões democráticos, de acordo com a agência “Reuters”.

O PiS chegou ao poder em 2015 e continua com uma grande margem de popularidade, apesar das acusações internas e externas de uma mudança em direção ao governo autoritário.

O partido obteve 32,3% dos votos nas assembleias municipais, contra os 26,9% registados na votação de 2014. A coligação dos partidos da oposição de centro deverá obter cerca de 24,7%, segundo a sondagem da Ipsos.

“Este resultado é um bom augúrio para as eleições parlamentares”, afirmou o líder do PiS, Jaroslaw Kaczynski, após a divulgação da sondagem.

Na corrida para a presidência da Câmara da capital Varsóvia, no entanto, o candidato do PiS, Patryk Jaki, de 33 anos, ficou em segundo lugar, atrás de Rafal Trzaskowski, um centrista pró-União Europeia.

Os resultados finais das eleições serão divulgados pela comissão eleitoral a meio da próxima semana.

Ler mais
Relacionadas

Eleições regionais na Polónia são teste para o governo eurocético

Os polacos votam este domingo, 21 de outubro, numa eleição com uma vitória esperada para o partido governista Lei e Justiça (PiS), cuja retórica nacionalista e reformas institucionais colocaram o país em disputa com a União Europeia.
Recomendadas

Adolfo Mesquita Nunes: “O meu projeto de vida não passa exclusivamente pela política”

O vice-presidente demissionário diz que a opção que tomou “em nada belisca” as suas convicções políticas e que vai continuar a ser um apoiante do CDS-PP e da sua atual líder, Assunção Cristas.

Catarina Martins questiona acordo entre RTP e FPF para “criar um canal concorrente”

“É uma medida gravíssima que põe em causa o equilíbrio da comunicação social. A RTP deve defender o serviço público e não ajudar a criar canais concorrentes”, acusou a líder do BE, no debate quinzenal, pedindo explicações ao primeiro-ministro sobre o memorando assinado pela RTP e FPF.

Fernando Negrão: “A dívida pública aumentou nesta legislatura em 20 mil milhões de euros”

No debate quinzenal com o primeiro-ministro, esta tarde, na Assembleia da República, o líder da bancada parlamentar do PSD questionou António Costa sobre o aumento da dívida pública e alertou que “a carga fiscal chegou ao seu limite”.
Comentários