PJ admite novas investigações, incluindo aos emails do Benfica, após extradição de Rui Pinto

Hacker Rui Pinto extraditado até ao final da próxima semana, após as autoridades judiciais da Hungria ter indeferido o recurso da defesa do pirata informático. Autoridades judiciais admitem que poderão vir a abrir novos processos crime após extracção de novos dados nos suportes informáticos apreendidos a Rui Pinto.

As autoridades judiciais da Hungria indeferiram o recurso da defesa de Rui Pinto para tentar evitar a extradição já decidida pelo tribunal há duas semanas. Com esta decisão, o pirata informático português deverá chegar a Portugal num prazo “entre quatro a oito dias”, revelou ao Jornal Económico fonte próxima ao processo, acrescentando que a data terá agora de “ser acordada com as autoridades húngaras”. Com o regresso de Rui Pinto, e o envio dos suportes informáticos apreendidos na Hungria, poderão vir a ser abertas novas investigações, inclusive ao caso dos emails do Benfica.

Segundo a mesma fonte, a Polícia Judiciária (PJ) vai iniciar agora uma nova fase no inquérito em curso que poderá dar origem “a outro tipo de investigações mediante o os dados que forem extraídos” do computador e dos discos rígidos que foram apreendidos na Hungria. Tudo dependerá, diz, dos dados que vierem a ser extraídos, os quais os investigadores “estão bem cientes do tipo de informação que pode haver nesses suportes” .

Em causa está informação que prende-se com acessos ilegítimos por parte do pirata informático português, não excluindo ainda os investigadores que possam vir a ser encontrados dados relativos ao caso dos emails do Benfica que começaram a ser revelados, em junho de 2017, por Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto,  no programa ‘Universo Porto da Bancada’, do Porto Canal. Este responsável denunciou  emails que terão sido trocados entre Adão Mendes, antigo árbitro da Associação de Futebol de Braga, e Pedro Guerra, na altura diretor de conteúdos da Benfica TV, salientando que os mesmos configuram um “esquema de corrupção [na arbitragem] para beneficiar o Benfica”.

Em janeiro do ano passado, o Ministério Público (MP)  confirmou que juntou os inquéritos dos vouchers e dos emails do Benfica num só processo,  pela existência de “matéria e personagens coincidentes a ambas as investigações”. Uma decisão que surgiu depois de em outubro de 2017, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL) ter revelado a investigação a um suspeito pelos crimes de corrupção passiva e activa, por parte da nona secção do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, no referido caso dos emails do Benfica.

Esta investigação levou a buscas nas instalações do Benfica, na sequência de denúncias do director de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, que acusou os “encarnados” de influenciarem o sector da arbitragem e apresentou alegadas mensagens de correio electrónico de responsáveis daquele clube, nomeadamente de Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira.

Os investigadores preparam-se, assim, para extrair dados do computador de Rui Pinto, depois de a sentença de extraditar Rui Pinto para Portugal abranger igualmente os equipamentos eletrónicos que lhe foram apreendidos.

As autoridades portuguesas acusam-no da prática de seis crimes: dois de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e ainda uma tentativa de extorsão.

Rui Pinto tem argumentado junto da justiça húngara que é “um alvo a abater” por parte de quem está envolvido nos negócios que ele denunciou e que em Portugal não estará seguro.

Em causa o seu acesso aos sistemas informáticos do Sporting Clube de Portugal (SCP) e do fundo de investimento ‘Doyen Sports’,  sedeado em Malta , que lpermitiram ao hacker português divulgar documentos confidenciais como contratos de jogadores do SCP e do então treinador Jorge Jesus ou celebrados entre a ‘Doyen’ e várias sociedades anónimas ligadas ao futebol.

 

Dados de Football Leaks também na mira da PJ

Na mira da PJ está ainda “informação que esteja a circular sobre o futebol, nomeadamente no site do Football Leak”.

O Football Leaks é o dossier que envolve vários casos de corrupção no futebol português e internacional e a defesa de Rui Pinto tem alegado o perigo de vida que correrá o Rui Pinto caso venha para Portugal.

Recorde-se que, desde 2015, Rui Pinto publicou informação sensível sobre os maiores clubes e entidades do futebol europeu.  Em apenas quatro anos, divulgou 70 milhões de documentos, número seis vezes superior ao da investigação dos Panama Papers. Em colaboração com o consórcio europeu de jornalistas EIC (European Investigative Collaborations), conseguiu que as fugas de informação fizessem capas por toda a Europa.

“Não me considero um hacker, mas sim um cidadão que agiu ao serviço do interesse público. A minha única intenção era revelar práticas ilícitas que afectam o mundo do futebol”, afirmou Rui Pinto em entrevista à Der Spiegel, após ter deixado o anonimato.

O pirata informático português está em prisão domiciliária desde janeiro deste ano, no âmbito de um pedido de detenção europeu do Ministério Público português.

A 13 de fevereiro, o tribunal tinha já rejeitado o recurso do Ministério Público húngaro para colocar Rui Pinto em prisão preventiva, mantendo o português em prisão domiciliária enquanto aguardava o desenrolar do processo de extradição para Portugal.

Ler mais
Relacionadas

Rui Pinto recorre e suspende extradição para Portugal

Rui Pinto já contestou a extradição, com um recurso que tem “efeito suspensivo imediato” da decisão, e vai aguardar em território húngaro o desfecho deste apelo, explicou a mesma fonte.

Hacker Rui Pinto não quer ser extraditado para Portugal

Rui Pinto, hacker português, não quer ser extraditado para Portugal e alega que os factos que cometeu foram praticados em território húngaro.
Recomendadas

“Quando querem contratar, abrem a torneira do petróleo ou do gás”. Manchester City e PSG geram desconforto

Os ingleses estão a ser investigados pela UEFA e correm o risco de não participarem na próxima edição da Liga dos Campeões. Javier Tebas responsável máximo de LaLiga é um dos rostos contra as propostas para a mudança de formato da competição.

“Não me agrada ver um primeiro-ministro e uma juíza” na tarja dos Super-Dragões, diz presidente do IPDJ

A claque dos Super Dragões, afeta ao FC Porto, aproveitou o clássico com o Sporting para criticar o título de campeão que acabaria por ser atribuído ao Benfica. Através de uma tarja apresentou uma equipa de campeões nacionais composta de árbitros, uma juíza e o primeiro-ministro. Presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) estranha silêncio do clube três dias após exibição da foto considerada como uma provocação ao clube da Luz.

Da Europa à insolvência. FC Arouca fecha ‘portas’ e avança para rescisão coletiva

O clube da Serra da Freita desceu ao campeonato nacional de Portugal no último fim-de-semana e decidiu avançar com o pedido de insolvência da Sociedade Desportiva Unipessoal por Quotas (SDUQ).
Comentários