PJ aponta para 9.570 kg de cocaína apreendida no Porto da Praia

As autoridades policiais cabo-verdianas referem ainda que, na sequência da operação, foram detidos 11 cidadãos, todos de nacionalidade russa. A operação contou com o apoio da Polícia Judiciária portuguesa.

Em comunicado, a Polícia Judiciária (PJ) cabo-verdiana avança que a cocaína apreendida esta sexta-feira a bordo do navio de bandeira do Panamá pesa 9.570 quilogramas (kg). As autoridades policiais referem ainda que, na sequência da operação, foram detidos 11 cidadãos, todos de nacionalidade russa, que deverão ser apresentados aos oficiais de justiça competentes, para validação das detenções e aplicação das medidas de coação.

Na nota da PJ lê-se que “o cargueiro, oriundo da América do Sul, tinha como porto de destino Tanger, em Marrocos, e que este fez uma escala no Porto da Praia, para cumprir os procedimentos legais relacionados com a morte, a bordo, de um dos tripulantes”.

A PJ adianta ainda que estava na posse de informações de que se tratava de uma embarcação suspeita que transportava uma quantidade indeterminada de estupefacientes, numa operação desenvolvida no âmbito de um processo de instrução resultante da troca de informação operacional com o MAOC-N (Maritime Analysis and Operations Centre – Narcotics), com sede em Lisboa.

Para a operação de busca, descarga, acondicionamento, transporte e guarda do produto apreendido, a PJ cabo-verdiana refere, no comunicado, que contou com a “cooperação e suporte técnico” da PJ portuguesa, francesa, bem como da habitual colaboração das forças de segurança nacionais, designadamente, as Forças Armadas, Policia Marítima, e, ainda, a Enapo e o Porto da Praia.

Relacionadas

Polícia Judiciária apreende “grande quantidade” de droga no Porto da Praia

Segundo a mesma fonte, suspeita-se de que os tripulantes do navio são cidadãos russos e que o mesmo tenha passado pela América do Sul, antes de chegar em Cabo Verde.
Recomendadas

Portuguesa Transinsular promete ligações regulares entre ilhas de Cabo Verde e foco no passageiro: “Carga passa a secundária”

Em entrevista ao Económico Cabo Verde, Joaquim Figueiredo, ‘chairman’ da empresa, revela que mantém “um diálogo muito positivo com os armadores cabo-verdianos. A nova sociedade que gere a concessão do serviço público de transporte marítimo de passageiros e carga inter-ilhas chama-se CV Interilhas e é liderada pela Transinsular.

Cabo Verde Airlines voa para Nigéria a partir de dezembro

A companhia área cabo-verdiana, Cabo Verde Airlines, vai começar a operar para a cidade nigeriana de Lagos.

Binter muda de nome para Transportes Interilhas de Cabo Verde

A Binter Cabo Verde, transportadora aérea que até a semana passada era a única a fazer as ligações inter-ilhas no arquipélago, mudou o nome para Transportes Interilhas de Cabo Verde, conforme publicação no Boletim Oficial.
Comentários