“PJ usará todos os meios para identificar autores”da Baleia Azul

Nova Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica (UNC3T) deixa alertas sobre o fenómeno e não exclui bloquear sites.

O jogo online Baleia Azul já envolveu pelo menos quatro jovens portugueses, o mais recente em Matosinhos. O Ministério Público já abriu três inquéritos com as investigações iniciadas nas comarcas de Setúbal, Portalegre e Faro. Neste jogo, os jovens são motivados por um “curador” a completar 50 desafios, entre os quais a automutilação, sendo o último o suicídio – e a prová-lo com fotografias. O diretor da UNC3T garante que a PJ está a tentar identificar os curadores do jogo e não exclui o bloqueio a determinados sites.

Há quanto tempo a UNC3T está a acompanhar o fenómeno “Baleia Azul”?
Há cerca de três semanas tivemos conhecimento de situações que podiam envolver jovens residentes em Portugal. Estudámos o fenómeno que vinha da Rússia e casos relatados no Brasil. E deparámo-nos com uma primeira situação que, de forma indireta, poderia ter a ver com este incentivo no cumprimento de tarefas que levam ao suicídio.

Quantos casos foram registados em Portugal?
Neste momento,  a PJ conhece quatro casos.

Como é que está a ser feito o acompanhamento e fiscalização deste caso?
O caso “Baleia Azul” não é exclusivo a Portugal e utiliza o ciberespaço como espaço de atuação, daí advindo dificuldades acrescidas no que tange ao caráter transnacional do fenómeno e até, na perceção do local da prática dos factos. O acompanhamento efetuado baseia-se na perceção do tipo de mensagens que está subjacente e na recolha de todos os dados relativos aos casos concretos em investigação.

Em que tipo de plataformas este fenómeno está a ser disseminado? E como é que os curadores chegam às potenciais vítimas?
A disseminação ocorre em redes sociais e plataformas de comunicação que massifiquem as mensagens. A atuação tem subjacente a engenharia social, a pesquisa e exploração de  eventuais fragilidades humanas, grupos ou pessoas que evidenciem problemas, fraquezas ou dependências.

Como é que os curadores têm acesso aos dados pessoais das vítimas, chegando a ameaçar familiares? Existem suspeitas de sextorcion?
Os dados pessoais normalmente são fornecidos pelas próprias vítimas, que após sofrerem pressão emocional e com base na referida engenharia social, acabam por revelar estes dados pessoais e familiares. Até ao momento, os casos concretos tratados não estão ligados a suspeitas de sextortion.

A PJ equaciona bloquear o acesso a certos sites se a situação começar a complicar-se?
A PJ usará de todos os meios legais ao seu dispor para tentar percecionar todo o fenómeno e chegar à identificação dos seus autores.

Existem suspeitas que esses autores são portugueses ou estrangeiros?
Neste momento, não é possível dizer se são portugueses ou estrangeiros.

Quais são as principais dificuldades técnicas desse bloqueio?
Não poderemos abordar a questão exclusivamente pelo lado do bloqueio. Estamos a falar de um conjunto de mensagens ou textos que são disseminados por vários meios e de forma aleatória, consoante a plataforma utilizada. A intervenção devida tem de centrar-se na prevenção, informando os jovens que não podem alimentar este tipo de solicitações, que não potencializem a continuidade das tarefas solicitadas e que as ameaças não tendem a concretizar-se, e que reajam negando perentoriamente a participação no suposto “jogo”. Apela-se ainda que, sobre as camadas mais jovens, haja intervenção parental  e familiar para que os mesmos estejam elucidados sobre os perigos associados e que eventuais pressões e manipulações não devem ter resposta. A resposta, por mais inócua que seja, pode elegê-los como alvos.

Já foi efetuado algum pedido de cooperação internacional?
Serão tomadas todas as medidas necessárias, incluindo essa.

Ler mais
Recomendadas

Nestlé retirou 2.750 toneladas de açúcar da alimentação dos portugueses

Entre 2013 e 2017, a Nestlé retirou da alimentação dos portugueses 687 milhões de colheres de chá de açúcar, o equivalente a 11.000 milhões de calorias.

Governo angolano rescinde contratos de exploração de diamantes

“Foi aprovada há já algum tempo a política para a protecção de diamantes, que tem como fundamento primeiro a eliminação do monopólio da comercialização de diamantes brutos que existia no país”, explicou o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino de Azevedo.

União Europeia tem dois milhões de euros para empreendedores angolanos

O valor doado pela União Europeia servirá para capacitação dos empreendedores angolanos que estão ligados ao processo de exportação de produtos não petrolíferos para o bloco económico europeu.
Comentários