Plano energético de Cabo Verde prevê penetração de renováveis de 50% até 2030

Nesta aposta em energias renováveis a baixo custo, o governo tem previsto no quadro do Orçamento do Estado para 2019 algumas medidas, uma delas, de acordo com Alexandre Monteiro, é a redução em 50% para as famílias que apostem em painéis solares.

Fabian Bimmer/Reuters

O Plano Diretor para o Setor Elétrico 2018/2030 prevê taxa de penetração de renováveis em 30%, a médio prazo, e 50% até 2030 (uma taxa que poderá varia de ilha para ilha), revelou o ministro cabo-verdiano da Indústria e Energia, que fez questão de lembrar que é preciso pensar na viabilidade económica do plano para não haver “agravamento” do custo de energia.

“O objetivo é reduzir a fatura de energia. Quando mais produção, mais redução teremos no preço e também menos dependência externa teremos”, disse Alexandre Monteiro esta sexta-feira, à margem da apresentação pública da estratégia para este segmento de atividade.

Para se chegar à taxa de penetração de 50%, que até pode ser antecipada, Alexandre Monteiro defende que serão necessários investimentos “estratégicos em sistemas de armazenamento que poderão encarecer o preço” – daí a necessidade de se fazer o equilíbrio e acompanhamento entre a procura, os aspetos técnicos, a penetração e os custos das tecnologias.

Nesta aposta em energias renováveis a baixo custo, o governo tem previsto no quadro do Orçamento do Estado para 2019 algumas medidas, uma delas, de acordo com Alexandre Monteiro, é a redução em 50% para as famílias que apostem em painéis solares.

O Plano foi pensado, segundo o ministro, para servir de base para o Programa Nacional de Sustentabilidade Energético. Inicialmente, o investimento previsto é de 127 milhões de euros e, num segundo momento, de 400 milhões de euros, de acordo com a informação do executivo. Os valores do investimento quer a nível da rede quer do sistema de armazenamento foram já definidos.

“Está previsto, no horizonte temporário do Plano até 2021, serem investidos 127 milhões de euros e até 2030 mais de 400 milhões de euros”, avançou o responsável pela pasta da Indústria e Energia, Alexandre Monteiro.

Estes são valores que o governo de Cabo Verde quer mobilizar na conferência de Paris, que se realiza entre 11 e 12 de dezembro e onde serão apresentados projetos para a área das energias renováveis e fomento de micro produção – a pensar “na redução da fatura energética tanto para as empresas como para as famílias”, refere Alexandre Monteiro.

Ler mais
Recomendadas

Governo cabo-verdiano afasta problema de gestão nos aeroportos após rotura de combustíveis na Ilha do Sal

O ‘jet fuel’ afetou aviões que fizeram escala técnica na ilha no final da semana passada.

UE tem 2,5 milhões de euros para desenvolvimento sustentável e inclusão social em Cabo Verde

“Vamos ter em conta as propostas apresentadas, as temáticas tratadas, o trabalho já feito pelas organizações que vão apresentar estes projetos, a viabilidade e a sustentabilidade desses projetos, uma vez terminado o potencial financiamento”, disse Sofia Moreira de Sousa, embaixadora da União Europeia em Cabo Verde.

Bolsa de Valores de Cabo Verde sugere união dos Fundos do Ambiente, Turismo e Rodoviário

Emanuel Lima considera que esta pode ser a solução para grandes investimentos em Cabo Verde.
Comentários