PME’s vão entrar na Revolução da Indústria 4.0 mas não se trata de um ‘Big Bang’

O ex-ministro Mira Amaral afirma que a Revolução da Indústria 4.0 é um processo evolutivo e natural. Corresponde à crescente digitalização da economia e das nossas empresas e admite que 10% a 15% dos atuais empregos no setor industrial irão desaparecer nos próximos 10 anos.

O Engenheiro Luís Mira Amaral e ex-ministro dos governos de Cavaco Silva, orador no debate sobre “Os Desafios e a Aplicação da Indústria 4.0”, levada a cabo pela NERSANT,  que decorreu na Startup Santarém defendeu a importância da inovação aberta que “é pôr a empresa em contacto com todos os stakeholders e através da troca de conhecimento, gerar inovação. O modelo que inclui as plataformas digitais, esta indústria 4.0, contribui muito para o aumento da inovação aberta”.

Em relação à importância desta Quarta Revolução nas PME, o antigo ministro garante que “uma PME tem de estar sempre a inovar, aliás as que sobrevivem é porque inovam, mesmo que não tenham consciência disso. Por isso, as PME naturalmente vão entrar nesta Revolução da Indústria 4.0”.

O ex-ministro destacou ainda a importância de aliar investigação às empresas e garante que “na investigação gastamos dinheiro para criar conhecimento, já a inovação empresarial pega no dinheiro que se investiu na investigação e aplica-o nas empresas para inovar. É uma transferência de conhecimento. Porque são as empresas que trazem dinheiro para a economia”.

Para Mira Amaral, a principal diferença da Indústria 4.0 é que envolve as Ciências da Vida: “estamos na quarta Revolução Industrial, a revolução da convergência entre o mundo físico, as tecnologias digitais, os sistemas biológicos e as ciências da vida. Esta é a minha tese, não se trata só de digitalização, passa para o âmbito das ciências da vida, se virmos bem é isso que está a acontecer na industria agroalimentar”.
Em relação aos constrangimentos e ao impacto social desta Revolução, o responsável destaca as previsões de que “10% a 15% dos atuais empregos no setor industrial irão desaparecer nos próximos 10 anos”, mas admite que, “serão criados tantos outros”.

.

Recomendadas

Economia alemã recuou ligeiramente no 2.º trimestre, diz Bundesbank

No seu boletim mensal de julho, o Bundesbank disse que essa contração se deveu ao desaparecimento de alguns efeitos extraordinários que tinham impulsionado o crescimento durante o inverno.

BBVA revê em alta estimativa do crescimento da economia portuguesa para 1,7% este ano

Numa nota de research, o BBVA antecipa que a desaceleração do consumo este ano seja compensada por um aumento no investimento.

Quanto vai ser investido e quando está pronta: Conheça os planos da nova Expo na zona ocidental de Lisboa

Mais de três quartos do valor de investimento de 300 milhões de euros previsto para o ‘Ocean Campus’, projeto de reconversão da zona ribeirinha entre Pedrouços (Lisboa) e a Cruz Quebrada (Oeiras) será exclusivamente assegurado por privados, de acordo com o documento referente ao plano estratégico deste empreendimentos, a que o Jornal Económico teve acesso. Veja aqui todos os pormenores sobre aquela que é designada como a Nova Expo.
Comentários