Pode uma pequena ilha no Oceano Pacífico alterar o futuro da economia mundial?

De acordo com o Wall Street Journal, ao largo da ilha de Minamitori foram encontradas quantidades quase infinitas de minerais usados na criação de tecnologias.

Localizado a pouco mais de mil milhas de Tóquio, uma pequena ilha no Oceano Pacífico pode alterar o futuro da economia mundial. Trata-se de um monte de lama que tem milhões de elementos químicos raros que se estima que podem explorados nos próximos séculos.

O anúncio por uma equipa de cientistas liderada pela Universidade de Tóquio e pela Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia Marinha e Terrestre (JAMSTEC), num artigo publicado pela revista Scientific Reports, a 10 de abril. De acordo com o estudo, o ítrio poderá ser explorado para os próximos 780 anos, o európio por 420 anos, o térbio por 620 anos e o disprósio poderá ser explorado nos próximos 730 anos.

“Isto é revolucionário para o Japão”, diz Jack Lifton, um dos responsáveis de uma organização que se dedica à pesquisa da utilização de minerais em tecnologias. “A corrida para explorar e desenvolver estes recursos vai aumentar”, sublinha. Até porque muitos destes minerais podem ser usados na criação de tecnologias da nova geração, como baterias, smartphones, veículos híbridos, sistemas de mísseis e dispositivos de radar.

Esta descoberta poderá colocar o Japão a dar cartas num segmento que até agora tem sido controlado pela China, que fornece cerca de 90% dos minerais usados no mundo na produção de tecnologias.

Recomendadas

Nestlé retirou 2.750 toneladas de açúcar da alimentação dos portugueses

Entre 2013 e 2017, a Nestlé retirou da alimentação dos portugueses 687 milhões de colheres de chá de açúcar, o equivalente a 11.000 milhões de calorias.

Governo angolano rescinde contratos de exploração de diamantes

“Foi aprovada há já algum tempo a política para a protecção de diamantes, que tem como fundamento primeiro a eliminação do monopólio da comercialização de diamantes brutos que existia no país”, explicou o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino de Azevedo.

União Europeia tem dois milhões de euros para empreendedores angolanos

O valor doado pela União Europeia servirá para capacitação dos empreendedores angolanos que estão ligados ao processo de exportação de produtos não petrolíferos para o bloco económico europeu.
Comentários