PremiumPonte Vasco da Gama pode ter corredor ‘bus’ ou metro ligeiro para servir aeroporto

Estudos deverão começar em breve, mas a opção final ainda nao está tomada. Se houver ‘OK’ ambiental para o aeroporto do Montijo, a ponte poderá passar a ter quatro faixas em cada sentido.

O Governo está a estudar a hipótese para inserir na ponte Vasco da Gama uma faixa suplementar em cada sentido, exclusivamente dedicada aos transportes públicos, confirmou o Jornal Económico junto de diversas fontes ligadas ao processo. Os estudos ainda não arrancaram no terreno, mas deverão iniciar-se dentro em breve, tendo como objetivo servir os passageiros do futuro aeroporto complementar do Montijo nos seus acessos à capital. Contactado, o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, que tutela esta área, não quis prestar declarações.

Todavia, numa entrevista concedida ao semanário ‘Expresso’ no passado dia 20 de dezembro, Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, revelava que “(…) contamos que na Vasco da Gama seja possível criar uma faixa para transporte público sem retirar faixas ao transporte individual para servir o novo aeroporto”. A ponte Vasco da Gama passaria, assim, a ter quatro faixas em cada sentido, em vez das atuais três.

Também a Lusoponte, concessionária da ponte Vasco da Gama, se escusou a prestar declarações sobre este assunto. Em cima da mesa, estão ainda duas hipóteses: a criação de uma faixa específica bus para transporte coletivo rodoviário de passageiros ou a implantação de um sistema de metropolitano elétrico ligeiro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Taxas dos aeroportos vão subir menos a partir de 2023

As taxas dos aeroportos portugueses geridos pela ANA aumentam esta semana, agravando a fatura dos passageiros, dos serviços e dos aviões que aterram e descolam. Mas dentro de quatro anos, as atualizações de taxas serão mais moderadas

Veja aqui como vai ser o novo Aeroporto de Lisboa

Investimento deverá rondar cerca de 1,1 mil milhões de euros, sendo integralmente custeado pela Vinci, incluindo não apenas estes dois aeroportos, mas também as infraestruturas de acessibilidades e as indemnizações à Força Aérea para sair da base aérea do Montijo.
Recomendadas

Ásia e sustentabilidade: as lentes dos investidores em 2030, segundo a Allianz Global Investors

O “Investment Fórum 2019” da gestora de investimentos do grupo alemão Allianz, que se realizou em Frankfurt, concluiu ainda que a probabilidade de a guerra comercial continuar é significativa.

A sair do forno

Chamam-lhe o coração da cozinha e é por isso que o novo forno a vapor da AEG dará nova vida aos seus cozinhados. Um truque exclusivo dos profissionais, que agora está ao seu alcance.

Petrolífera Anadarko anuncia “oportunidade para várias gerações” em Moçambique

O projeto de exploração de gás natural na Área 1 da bacia do Rovuma é uma oportunidade para várias gerações de moçambicanos, referiu este terça-feira o presidente da petrolífera que lidera o investimento.
Comentários