PremiumPonte Vasco da Gama pode ter corredor ‘bus’ ou metro ligeiro para servir aeroporto

Estudos deverão começar em breve, mas a opção final ainda nao está tomada. Se houver ‘OK’ ambiental para o aeroporto do Montijo, a ponte poderá passar a ter quatro faixas em cada sentido.

O Governo está a estudar a hipótese para inserir na ponte Vasco da Gama uma faixa suplementar em cada sentido, exclusivamente dedicada aos transportes públicos, confirmou o Jornal Económico junto de diversas fontes ligadas ao processo. Os estudos ainda não arrancaram no terreno, mas deverão iniciar-se dentro em breve, tendo como objetivo servir os passageiros do futuro aeroporto complementar do Montijo nos seus acessos à capital. Contactado, o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, que tutela esta área, não quis prestar declarações.

Todavia, numa entrevista concedida ao semanário ‘Expresso’ no passado dia 20 de dezembro, Pedro Marques, ministro do Planeamento e das Infraestruturas, revelava que “(…) contamos que na Vasco da Gama seja possível criar uma faixa para transporte público sem retirar faixas ao transporte individual para servir o novo aeroporto”. A ponte Vasco da Gama passaria, assim, a ter quatro faixas em cada sentido, em vez das atuais três.

Também a Lusoponte, concessionária da ponte Vasco da Gama, se escusou a prestar declarações sobre este assunto. Em cima da mesa, estão ainda duas hipóteses: a criação de uma faixa específica bus para transporte coletivo rodoviário de passageiros ou a implantação de um sistema de metropolitano elétrico ligeiro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Taxas dos aeroportos vão subir menos a partir de 2023

As taxas dos aeroportos portugueses geridos pela ANA aumentam esta semana, agravando a fatura dos passageiros, dos serviços e dos aviões que aterram e descolam. Mas dentro de quatro anos, as atualizações de taxas serão mais moderadas

Veja aqui como vai ser o novo Aeroporto de Lisboa

Investimento deverá rondar cerca de 1,1 mil milhões de euros, sendo integralmente custeado pela Vinci, incluindo não apenas estes dois aeroportos, mas também as infraestruturas de acessibilidades e as indemnizações à Força Aérea para sair da base aérea do Montijo.
Recomendadas

Governo avança com lei que permite aos bancos contabilizar como custo fiscal as novas imparidades

“A presente alteração visa sanar a divergência entre os sistemas contabilísticos e fiscais no que respeita ao tratamento de perdas por imparidades associadas a operações de crédito. Prevêem-se ainda regras disciplinadoras para as perdas por imparidade registadas nos períodos de tributação com início anterior a 1 de janeiro de 2019, e ainda não aceites fiscalmente”, diz o último comunicado do Conselho de Ministros

BPI vence Prémio Cinco Estrelas na categoria de Banca Digital

O BPI é líder na penetração do homebanking, com quase metade dos seus clientes particulares a serem utilizadores deste canal. O mesmo acontece no caso dos clientes empresariais, em que 84,5% usam os canais digitais do Banco. Isto segundo o estudo BASEF Banca relativo ao período de fevereiro a agosto de 2018.

Fever vai investir cinco milhões em co-organização de eventos em Portugal

A ronda de financiamento contou também com a participação dos já investidores Accel Partners e 14W Ventures, além da Portugal Ventures e da Caixa Capital.
Comentários