Portugal coloca 1.250 milhões de dívida às taxas mais baixas de sempre

“Foram duas emissões de dívida com bastante sucesso e em ambas Portugal conseguiu emitir dívida com as taxas mais baixas de sempre para estes prazos”, explicou Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

D.R.
Ler mais

Portugal voltou aos mercados esta quarta-feira, emitindo 1.250 milhões de euros de dívida, a 10 e a 27 anos, com as taxas de juro mais baixas de sempre para estes prazos.

“Foram duas emissões de dívida com bastante sucesso e em ambas Portugal conseguiu emitir dívida com as taxas mais baixas de sempre para estes prazos”, explicou Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa.

Na emissão de 975 milhões de euros de Obrigações do Tesouro (OT), a 10 anos, a taxa de juro conseguida pelo Estado português foi de 1,778%. O valor significa uma queda de 0,268 pontos percentuais em relação à última emissão de dívida com o mesmo prazo, realizada a 14 fevereiro, quando a taxa foi de 2,046%.

“É uma descida substancial para um curto espaço de tempo, em linha com o mercado”, referiu Filipe Silva, numa altura em que as yields das Obrigações com a mesma maturidade negoceiam em mercado secundário nos 1,825%.

No entanto, o diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa nota que “o mais extraordinário foi a emissão a 27 anos”. Na emissão de 275 milhões de euros OT a 27 anos, a taxa caiu 1,17 pontos percentuais, para 2,8%. No último leilão comparável, em julho do ano passado, a taxa de colocação tinha sido 3,977%.

Isto significa que Portugal paga agora para emitir dívida que apenas vence em 2045, o mesmo que pagava em setembro de 2017 por dívida a 10 anos.

Na maturidade mais curta, a procura superou a oferta em 1,7 vezes (abaixo das 2,08 vezes de fevereiro), enquanto na maturidade mais longa, a procura foi de 2,8 vezes a oferta (acima das 2,15 em julho do ano passado).

“Estas duas operações mostram que o prémio de risco da dívida portuguesa baixou drasticamente o que é muito bom para os interesses do país, dado sobretudo tratar-se de dívida longa.  Estes resultados irão certamente ter impacto também no custo de financiamento de empresas portuguesas que queiram emitir dívida no mercado”, acrescentou Filipe Silva.

[Notícia atualizada às 11h15 com comentário]

Relacionadas

Após surpresa de setembro, S&P deverá ter cautela com novas subidas no ‘rating’

Esta sexta-feira há nova avaliação ao ‘rating’ pela Standard and Poor’s, a primeira a tirar Portugal do nível de ‘lixo’ depois da crise. Os analistas consideram que a agência de notação não irá fazer outro ‘upgrade’, mas que irá apontar os progressos do país.

Tesouro acentua estratégia de alongar prazos com leilão de dívida a 10 e 27 anos

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública vai voltar ao mercado de dívida esta quarta-feira e poderá beneficiar de uma nova redução nos juros.

Portugal recomprou 250 milhões de euros de dívida que vencia em 2019 e 2021

De acordo com uma apresentação a investidores divulgada hoje, o IGCP “está ativamente” a recomprar Obrigações do Tesouro que vencem mais cedo, de modo a aliviar os pagamentos futuros.

OCDE revê em alta crescimento da economia global para 3,9% em 2018 e 2019

Na atualização intercalar das previsões económicas (‘Economic Outlook’) divulgada esta terça-feira, a OCDE diz que este é o resultado “mais forte” desde 2011 e destaca as “surpresas de crescimento” previstas para este ano na zona euro (que deverá crescer 2,3%), na China (6,7%), na Turquia (5,3%) e no Brasil (2,2%).

S&P acusada de enfraquecer modelo de rating para ganhar negócios na Austrália

A agência de notação financeira norte-americana está a ser processada por, pelo menos, 120 milhões de euros por dois governos locais e dois fundos de pensões na Austrália. S&P volta a avaliar Portugal esta semana.
Recomendadas

Trump acusa a OPEP de “enganar o mundo” para subir preços do petróleo

Presidente norte-americano tem sido um crítico do acordo de cortes de produção petrolífera, implementada pela OPEP. Nas Nações Unidas, voltou a tecer duras críticas contra a organização.

BCP, Galp e Mota elevam Bolsa de Lisboa para ganhos

A banca em toda a Europa do sul está em alta devido ao abrandamento da pressão sobre a dívida italiana. Os juros da dívida italiana a 10 anos caem 7,3 pontos base para 2,876%. As principais praças fecharam no verde.

Pedro Siza Vieira: BdP deve evitar cair nos extremos da supervisão

O Ministro Adjunto usou o exemplo da queda do Lehman Brothers para referir que a supervisão comportamental aprendeu com a crise, mas também para sublinhar a importância de avaliar o risco.
Comentários