Portugal é um dos países da UE que mais tem reduzido crédito malparado

O quarto relatório sobre os progressos na redução do crédito malparado na União Europeia (UE) revela que o rácio dos créditos em incumprimento “continua a sua trajetória descendente rumo aos níveis registados no período anterior à crise”.

O total de crédito malparado nos bancos portugueses caiu cerca de 24 mil milhões de euros nos últimos três anos, contribuindo para que os empréstimos de cobrança duvidosa na UE continuem em declínio, segundo dados hoje divulgados pela Comissão Europeia.

O quarto relatório sobre os progressos na redução do crédito malparado na União Europeia (UE), hoje publicado pelo executivo comunitário, revela que o rácio dos créditos em incumprimento “continua a sua trajetória descendente, rumo aos níveis registados no período anterior à crise” económica e financeira, tendo sido reduzidos em mais de metade desde 2014, com Portugal a acompanhar essa tendência nos últimos três anos, com um redução em torno dos 50% desde 2016.

A Comissão aponta que “tem trabalhado de forma construtiva com os Estados-membros em busca de soluções para casos específicos na banca, no quadro das regras bancárias e de ajudas estatais, com o claro objetivo de limitar custos para os contribuintes, garantindo ao mesmo tempo que os depósitos permanecem sempre protegidos”.

“Tal permitiu transações que removeram cerca de 133 mil milhões de euros de crédito malparado das folhas de balanço dos bancos ao longo dos últimos três anos, incluindo cerca de 103 mil milhões de euros em Itália, aproximadamente 24 mil milhões de euros em Portugal, e perto de seis mil milhões de euros em Chipre”, aponta Bruxelas.

Segundo dados divulgados em abril pelo Banco de Portugal – mais atualizados do que aqueles hoje publicados pela Comissão Europeia, que remontam ao terceiro trimestre do ano passado -, os bancos portugueses reduziram o crédito malparado acumulado em 50% entre junho de 2016 e dezembro de 2018, tendo o rácio de malparado descido para 9,4% no final do ano passado.

Segundo a publicação ‘Desenvolvimentos Recentes do Sistema Bancário’, em dezembro passado o valor bruto do crédito malparado era ainda assim de 25.850 milhões de euros, o que corresponde a um rácio de malparado (crédito malparado face ao crédito total) de 9,4% em dezembro.

O rácio de malparado nos bancos que operam em Portugal tem vindo a baixar nos últimos anos, face ao máximo de 17,9% atingido em junho de 2016 (17,5% em 2015, 17,2% em 2016 e 13,3% em 2017).

Os bancos portugueses estão, no entanto, ainda longe da média do crédito malparado na zona euro, que era em meados de 2018 de cerca de 5% do total.

A Comissão Europeia nota que, “apesar de claras melhorias, os elevados rácios de crédito malparado continuam a ser um desafio em alguns Estados-membros e merecem atenção permanente”, pelo que exorta os 28 e o Parlamento Europeu a “acelerar o trabalho em torno das propostas legislativas pendentes para complementar a ação da UE para fazer face a este problema”.

Ler mais
Recomendadas

Oficial: Benfica analisa proposta de 126 milhões por João Félix do Atlético de Madrid

Segundo a SAD benfiquista, o “valor proposto acima da cláusula de rescisão contempla o custo financeiro indexado ao pagamento a prestações previsto nesta proposta”. O jovem avançado do Benfica tem uma cláusula de 120 milhões de euros.

Aprovada entrega da casa aos bancos para saldar dívida no crédito à habitação

“É admitida a dação em cumprimento da dívida, extinguindo as obrigações do devedor independentemente do valor atribuído ao imóvel para esse efeito, desde que tal esteja contratualmente estabelecido, cabendo à instituição de crédito prestar essa informação antes da celebração do contrato”, lê-se na proposta do PS, que consta do projeto para a Lei de Bases da Habitação.

Aprovada entrega da casa aos bancos para saldar dívida no crédito à habitação

A proposta do PS para que seja admitida a entrega da casa às instituições bancárias para extinguir a dívida no crédito à habitação foi hoje aprovada, com o apoio de PSD, PCP e BE e a abstenção de CDS-PP.
Comentários