Portugal eleito para Conselho Executivo da UNESCO

Governo já mostrou grande satisfação pela eleição.

Portugal foi eleito para o Conselho Executivo da UNESCO para um mandato que se irá prolongar até 2021, eleição que resultou de uma votação secreta na 39ª Conferência Geral da UNESCO que teve lugar em Paris.

Em comunicado, o Governo português “congratula-se com a eleição de Portugal para o Conselho Executivo da UNESCO, para um mandato que se prolongará até 2021. É a quarta vez que Portugal é eleito para este importante órgão da UNESCO”, recordando ainda que “Portugal esteve pela última vez no Conselho Executivo da UNESCO entre 2005 e 2009”.

Para o executivo português, esta eleição “trata-se do culminar de uma intensa e bem-sucedida campanha da candidatura portuguesa para este lugar que envolveu ativamente toda a rede diplomática portuguesa, com destaque para a Missão Permanente de Portugal junto da UNESCO, liderada pelo Embaixador José Filipe Moraes Cabral. A eleição de Portugal para o Conselho Executivo da UNESCO, prioritária para o Governo, reflete o reconhecimento internacional da importância que o nosso país atribui ao multilateralismo, conforme ficou bem patente no trabalho aberto, transparente e inclusivo que Portugal desenvolveu durante o mandato que exerceu no Comité do Património Mundial da UNESCO”.

Enquanto membro do Conselho Executivo da UNESCO, esclarece o Governo, “Portugal promoverá o diálogo e os princípios de respeito mútuo e de solidariedade entre as nações, o combate à desigualdade e à pobreza, procurando fortalecer a educação, o conhecimento científico e a diversidade cultural, instrumentos essenciais para o desenvolvimento sustentável. É entendimento do Governo que a presença de Portugal no Conselho Executivo da UNESCO constitui uma mais-valia para a projeção da imagem do nosso país a nível internacional e permite uma capacidade de intervenção acrescida na comunidade internacional”.

Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários