Portugal emite 1.500 milhões de euros em dívida a curto prazo com taxas mais negativas

IGCP emitiu mil milhões de euros a 12 meses, renovando os mínimos históricos das taxas de juro nesta maturidade.

O Tesouro emitiu esta quarta-feira 1.5000 milhões de euros, o montante máximo pretendido, num leilão em dívida a seis e 12 meses, com uma taxa mais negativa face à operação de março.

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública tinha estabelecido um montante indicativo de 1.250 milhões a 1.500 milhões de euros.

Portugal pagou -0,396% para emitir 500 milhões de euros em dívida a seis meses, que compara com os -0,393% para emitir 400 milhões de euros, registados em março. A procura continuou a superar a oferta, tendo sido de 2,62 vezes, comparando com os 2,31 registados no último leilão.

Na emissão a 12 meses, o IGCP pagou -0,370% para emitir mil milhões de euros. O Tesouro registou, assim, uma taxa mais negativa do que os -0,366%, registados na última colocação, tendo a procura superado a oferta em 2,29 vezes, que compara com os 2,14 vezes do último leilão.

“Portugal continua a beneficiar da política acomodativa do BCE e que tudo tem feito para ajudar os países, tal tem permitido ao longo dos últimos anos fazer o rollover da dívida de curto prazo sempre com taxas de juro negativas”, explica Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa.

O próximo leilão duplo de BT deverá ocorrer a 19 de junho, com maturidades a dois e 11 meses. As duas linhas de reabertura vencem a 20 de setembro e a 15 de maio, com um montante global indicativo entre mil e 1.250 milhões de euros.

(Atualizado às 11h15)

Ler mais
Relacionadas

Portugal quer aproveitar apetite por Bilhetes do Tesouro para angariar até 1.500 milhões de euros

A IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e Dívida Pública realiza esta quarta-feira um leilão de Bilhetes do Tesouro com maturidades a seis e 12 meses.

Portugal emite dívida a dez anos com a taxa de juros mais baixa de sempre

Portugal tem renovado mínimos históricos na emissão de Obrigações do Tesouro a 10 anos e a tendência manteve-se esta quarta-feira. O Tesouro emitiu emitiu 800 milhões nesta maturidade, com uma taxa de alocação de 1,059%, que compara com os 1,143% do último leilão.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários