Portugal entre os países onde a Europol realizou megaoperação de combate à lavagem de dinheiro

Mais de 650 bancos, 17 associações bancárias e outras instituições financeiras reportaram 7.520 transações de dinheiro fraudulentas, ajudando a impedir a perda de 12,9 milhões de euros.

A Europol realizou uma megaoperação de combate à lavagem de dinheiro, que terminou com a prisão de 228 indivíduos. Portugal encontra-se entre os 31 países onde a operação teve lugar, segundo a polícia europeia.

Além das detenções, as autoridades europeias também identificaram 3.833 mulas, as pessoas que transportam o dinheiro entre países. A operação decorreu entre setembro e novembro deste ano.

Mais de 650 bancos, 17 associações bancárias e outras instituições financeiras reportaram 7.520 transações de dinheiro fraudulentas, ajudando a impedir a perda de 12,9 milhões de euros.

A operação coordenada pela Europol contou com a ajuda de várias autoridades policias, judiciais, e financeiras das mais de três dezenas de países, incluindo Portugal.

“Durante a operação de três meses, a Europol apoiou as operações ao assistir as autoridades nacionais com informação para cruzar nas bases de dados da Europol e a recolha de informação para análises”, segundo esta autoridade.

 

Ler mais
Recomendadas

Produtora Yellow Star desistiu de ação judicial sobre concurso do Teatro Maria Matos

Em causa estava uma ação interposta pela Yellow Star, sobre o resultado do concurso para a concessão do Teatro Maria Matos, realizado em 2018.

Luanda Leaks: Operadora ZAP com atividade “normal” e “sem constrangimentos financeiros”

A operadora de televisão por satélite, que resulta de uma parceria entre Isabel dos Santos, que detém 70%, e a NOS, com 30%, é uma das empresas controladas pela filha do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, incluídas no arresto preventivo decretado, em dezembro, pelo tribunal de Luanda, a pedido do Estado angolano.

Rui Pinto tentou dar provas à justiça portuguesa, mas foi ignorado, afirma advogado

William Bourdon garante ter na sua posse provas de que o seu cliente, Rui Pinto, propôs entregar informação às autoridades portuguesas.
Comentários