Portugal entre os países onde a Europol realizou megaoperação de combate à lavagem de dinheiro

Mais de 650 bancos, 17 associações bancárias e outras instituições financeiras reportaram 7.520 transações de dinheiro fraudulentas, ajudando a impedir a perda de 12,9 milhões de euros.

A Europol realizou uma megaoperação de combate à lavagem de dinheiro, que terminou com a prisão de 228 indivíduos. Portugal encontra-se entre os 31 países onde a operação teve lugar, segundo a polícia europeia.

Além das detenções, as autoridades europeias também identificaram 3.833 mulas, as pessoas que transportam o dinheiro entre países. A operação decorreu entre setembro e novembro deste ano.

Mais de 650 bancos, 17 associações bancárias e outras instituições financeiras reportaram 7.520 transações de dinheiro fraudulentas, ajudando a impedir a perda de 12,9 milhões de euros.

A operação coordenada pela Europol contou com a ajuda de várias autoridades policias, judiciais, e financeiras das mais de três dezenas de países, incluindo Portugal.

“Durante a operação de três meses, a Europol apoiou as operações ao assistir as autoridades nacionais com informação para cruzar nas bases de dados da Europol e a recolha de informação para análises”, segundo esta autoridade.

 

Ler mais
Recomendadas

Tribunal de Recurso de Paris deu razão à PT Ventures contra Isabel dos Santos na Unitel

Com esta decisão fica confirmada a legitimidade da PT Venture para a execução da sentença do Tribunal Arbitral contra a Vidatel e que condenou a empresa de Isabel dos Santos ao pagamento de uma indemnização de 339,4 milhões de dólares.

Moradores do prédio Coutinho avançam para tribunal europeu

“Sem dúvida nenhuma que o irão fazer. Não vão desistir de lutar pelos seus direitos”, referiu o advogado dos moradores do edifício Jardim, em Viana do Castelo.

Recurso da KPMG à coima da CMVM adiado sine die por causa do confinamento

A CMVM condenou a auditora KPMG por 66 infrações praticadas no âmbito da auditoria às contas do Banco Espírito Santo (BES) relativas aos exercícios de 2012 e 2013, que resultaram numa coima única de um milhão de euros. A KPMG recorreu. O julgamento que estava marcado para dia 22 foi adiado sine die.
Comentários