Portugal já garantiu dois terços do financiamento com obrigações para este ano

A venda sindicada de 3 mil milhões euros em dívida a 15 anos teve uma forte procura, o que levou o IGCP a superar o montante inicialmente previsto. O Tesouro tem aproveita as condições favoráveis e já emitiu dois terços do planeado em obrigações.

Ler mais

Antes do final do primeiro terço do ano, Portugal já cumpriu dois terços da meta anual de financiamento via Obrigações do Tesouro. A informação foi divulgada esta quarta-feira pelo IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, após a colocação de 3 mil milhões de euros em dívida a 15 anos, em venda sindicada.

“A transações beneficiou da participação de um leque granular de investidores institucionais”, afirmou a instituição liderada por Cristina Casalinho.

A forte procura, que ficou acima dos 16 mil milhões de euros, permitiu a Portugal obter um preço para a nova linha num spread de midswaps mais 102 pontos base, abaixo dos 105 pontos base indicados no início da operação.

“Portugal escolheu aumentar a transação para 3 mil milhões de euros da meta original de 2,5 mil milhões de euros, para satisfazer o apetite tremendo por esta operação, enquanto mantém a capacidade de fornecer liquidez à curva via leilões no resto do ano”, explicou o IGCP.

A distribuição geográfica foi diversificada com uma grande participação de investidores do Reino Unido, França, Itália, Espanha e Alemanha. Por tipo de investidores, a maioria da procura veio de gestores de fundos, bancos, seguradoras e fundos de pensões.

No programa de financiamento para 2018, o IGCP prevê levantar 15 mil milhões de euros em Obrigações do Tesouro, através de vendas sindicadas e leilões.

Em janeiro, o IGCP já tinha feito uma venda sindicada, na qual colocou quatro mil milhões de euros a 10 anos, Desde então, já realizou quatro leilões de Obrigações do Tesouro, tendo colocado 490 milhões em papel a cinco anos, 1.735 milhões a 10 anos (via dois leilões) e 275 milhões em dívida de longo prazo, ou seja, com maturidade em 2045.

Relacionadas

Procura na venda sindicada de dívida superou os 16 mil milhões de euros

O “apetite tremendo” por esta operação levou o Tesouro a aumentar o montante colocado para 3 mil milhões de euros, face aos 2,5 mil milhões originalmente planeados, explicou o IGCP.

Portugal paga 2,325% para emitir 3 mil milhões de euros em dívida a 15 anos

Na segunda venda sindicada deste ano, o Tesouro colocou 3 mil milhões de euros em dívida com maturidade em abril de 2034. Em janeiro, o IGCP tinha vendido 4 mil milhões de euros em obrigações a 10 anos pela mesma via.
Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários