Portugal passa ao lado da incerteza no mercado de obrigações global

Num dia em que a Alemanha, Itália e Portugal emitiram dívida ‘benchmark’, o Tesouro português colocou quatro mil milhões de euros em Obrigações a 10 anos, com uma taxa de 2,05%.

Reuters
Ler mais

Mudanças na política monetária e inversão das estratégias de compra de dívida estão a ameaçar a paz no mercado obrigacionista dos países desenvolvidos, que dura há três décadas. Enquanto os juros das dívidas benchmark da Alemanha e dos EUA sobem, Portugal continua a beneficiar de yields historicamente baixas.

A pesar nos mercados de dívida estão as perspetivas sobre as reduções dos estímulos monetários por parte do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco do Japão (BoJ), nas respetivas regiões, um processo já iniciado pela Reserva Federal norte-americana.

Simultaneamente, um novo relatório das autoridades chinesas, a que a agência Bloomberg teve acesso, indica que o país estará a ponderar diminuir a compra de obrigações dos EUA. A China é o maior detentor do mundo de reservas estrangeiras, com 3,1 biliões de dólares, e a notícia assustou os investidores.

“Não tenho a certeza que vamos continuar num bear market muito mais tempo”, afirmou o analista chefe da Danske, Allan von Mehren, à Bloomberg. “Se as yields subiram muito vai travar o momentum de crescimento, atrasar as subidas dos juros de referência pela Fed e prejudicar a performance do mercado acionista”.

Nos EUA, as yields das Treasuries a 10 anos sobem há cinco dias, tendo tocado máximos de 10 meses, próximo de 2,6%. Na Alemanha, as Bunds a 10 anos avançam um ponto base para 0,53%. Por outro lado, Portugal continua a beneficiar do reforço da confiança dos investidores, com os juros benchmark próximos de 1,8%.

Num dia em que a Alemanha, Itália e Portugal emitiram dívida benchmark, a portuguesa Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, o IGCP, colocou quatro mil milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos, a uma taxa de 2,05%.

“Há poucos anos Portugal só conseguia emitir com taxas nos 4 ou 5. Atualmente, se olharmos para todas as  últimas emissões já se vêem muitas emissões com taxas abaixo dos 3% ou mesmo 2%”, explicou o diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva.

“São ótimas notícias para o país que consegue assim fazer o rollover da dívida, financiando-se a custos cada vez mais baixos. Só assim conseguiremos tornar a nossa dívida sustentável. Mas tão positivo como a taxa foi a forte procura: Portugal é dos países com um risco não muito elevado que paga melhor a quem nos empresta dinheiro. Daí a procura ter sido muito superior à oferta”, acrescentou.

Relacionadas

Portugal coloca quatro mil milhões com juro de 2,05%

Emissão a 10 anos beneficiou da forte procura por parte dos investidores, o que contribuiu para baixar o custo do financiamento. Em janeiro do ano passado, o IGCP tinha pago mais do dobro numa colocação de dívida semelhante.

China ameaça cortar compra de dívida dos EUA e atinge Wall Street

As yields das Treasuries a 10 anos sobem para 2,6%, tendo tocado máximos de 10 meses, enquanto o índice de volatilidade VIX subiu dois pontos dos mínimos históricos onde estava para 8,56.

Juros da dívida de curto prazo dos EUA já ultrapassam os da Grécia

Apesar de as ‘yields’ dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos a dois anos superarem o valor da Grécia no mercado secundário de dívida, o país europeu continua em reabilitação devido à crise financeira.
Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários