Portugal promovido à Superliga europeia de atletismo

A seleção portuguesa de atletismo assegurou hoje a promoção à Superliga europeia, quando falta disputar uma prova na I Liga das Nações, ao somar uns já inalcançáveis 298 pontos.

David Ramos/ Getty Images

Após 39 das 40 provas – falta a estafeta masculina de 4×400 metros -, a seleção lusa totaliza mais 22 pontos do que a Bielorrusia e mais 32 do que a Noruega, que ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente.

O triunfo na competição disputada em Sandnes, na Noruega, foi confirmado com o segundo lugar na estafeta feminina de 4×400 metros, com o tempo de 3.33,95, mais seis centésimos de segundo do que a Noruega.
Antes, Pedro Pablo Pichardo venceu o concurso de triplo salto com 16,98 metros, na estreia do luso-cubano pela seleção portuguesa.

O atleta do Benfica alcançou esta marca no seu segundo salto, depois de ter ficado pelos 16,94 na primeira tentativa – os restantes dois foram nulos -, impondo-se ao romeno Cristian Grecu (16,82) e ao eslovaco Tomas Vesleka (16,51).
Também hoje, Lorene Bazolo tinha venceu a prova de 200 metros, com o tempo de 23,78 segundos, à frente da bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya (23,81) e da belga Imke Vervaet (23,90), segunda e terceira classificadas.

André Pereira foi segundo nos 3.000 metros obstáculos, em 8.53,60 minutos, atrás do norueguês Tom Erling Karbo (8.52,00), a mesma posição alcançada por Mariana Machado nos 5.000 metros, em 16.01,14, sendo apenas batida pela romena Roxana Bârca (15.59,66).

No sábado, Carlos Nascimento tinha vencido os 100 metro, em 10,64 segundos.

Recomendadas

PremiumTáticas para contratar: da desestabilização ao custo zero

Não deveria valer tudo para contratar mas existem clubes especialistas em manobras de aquisição dos melhores talentos. Curiosamente, ou não, esses emblemas são campeões crónicos nas suas Ligas.

“No hóquei em patins, somos como a irredutível aldeia dos gauleses”

Luís Sénica, antigo selecionador nacional de hóquei em patins e presidente da Federação de Patinagem de Portugal, realçou ao Jogo Económico a resiliência da modalidade ao longo dos anos. “Somos como a irredutível aldeia dos gauleses”, realçou o líder federativo.

“O golfe é caro? Temos de mudar esse dogma”

Carlos Cortês, diretor do Conselho Nacional da Indústria do Golfe, veio ao ‘Jogo Económico’ e abordou o tema do custo referente à prática da modalidade. Para o dirigente, a dúvida sobre se o golfe é caro, é um dogma que tem de ser mudado.
Comentários