Portugal tem como “principal ambição” reforçar laços económicos e comerciais com Cabo Verde

Garantia foi dada pelo secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, no final de uma visita de dois à capital cabo-verdiana para manter contactos com enpresários portugueses no arquipélago.

O secretário de Estado da Internacionalização de Portugal garantiu, na cidade da Praia, que Portugal quer reforçar os laços económicos e comerciais com Cabo Verde. Eurico Brilhante Dias terminou esta sexta-feira, 5 de outubro, a visita de dois à capital cabo-verdiana para manter contactos com a classe empresarial portuguesa residente.

Brilhante Dias, que falava aos jornalistas no final de uma vista às instalações da fábrica de tintas Neuce, disse que neste momento a “principal ambição” de Portugal é “reforçar os laços económicos e comerciais” com o arquipélago.

“Temos esta ligação que faz com que Portugal e Cabo Verde sejam parceiros de sempre, no passado, no presente e no futuro” afirmou Eurico Dias, para quem o nível de cooperação entre os dois países permite uma “confiança mútua” que, segundo ele, é “fundamental para desenvolver negócios”.

Eurico Brilhante ainda acrescentou que “é difícil fazer negócios” com quem não se tem confiança e lembrou que, empresa de produção de tintas, que visitou tem gerado “oportunidade de emprego” a cabo-verdianos.

“Para nós, é um grande gosto perceber que esta empresa oferece produtos diferentes e diferenciados a este mercado”, indicou o secretário de Estado português da Internacionalização, acrescentando que as expectativas do seu país são sempre no sentido de continuar a ser um “parceiro de referência e de excelência” com Cabo Verde.

Para Eurico Dias, Cabo Verde e Portugal têm muitos pontos de interceção, “Portugal é o primeiro fornecedor de Cabo Verde, além de ser um dos “principais clientes” do arquipélago, e em terras lusas há uma comunidade expressiva crioula e neste país estão registados mais de 15 mil portugueses” refere.

Instado sobre a possibilidade de o seu país financiar empresas portuguesas no país, sublinhou que Portugal tem tido uma “posição muito colaborativa”, em que, apesar das restrições orçamentais no passado recente, “deu sinal de dar continuidade à linha de crédito no que diz respeito à habitação”.

“Temos construído um portefólio de instrumentos financeiros muito adequado às necessidades do tecido empresarial”, revelou Eurico Dias, que destaca a presença de bancos cabo-verdianos com capital português, sendo este último uma “ligação umbilical” que permite dar “grande liquidez e abertura do mercado cabo-verdiano à Europa e vice-versa.

Na sua perspetiva, a banca com origem em Portugal desenvolve um “papel fundamental” no desenvolvimento da atividade económica.

O Secretário de Estado português da internacionalização reúne-se, hoje, com uma missão do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e com empresas portuguesas que operam em Cabo Verde e marca presença no lançamento da primeira pedra para a construção da nova fábrica da empresa de produção e medicamentos (Inpharma).

 

Ler mais
Recomendadas

Nove empresas entram no capital do transporte marítimo de Cabo Verde

Um grupo de nove armadores (Cabo Verde Fast Ferry, Polaris, Adriano Lima, Verdemar, Santa Luzia Salvamento Marítimo, Jô Santos & David, União de Transportes Marítimos, Oceanomade e Aliseu) assumiu 49% do capital social da Inter-ilhas, que tem como sócio maioritário a portuguesa Transinsular.

Governo de Cabo Verde: “Assédio a turistas não vai continuar a ser tolerado”

O líder do executivo cabo-verdiano propõe ainda que a problemática da sustentabilidade do turismo seja vista na ótica de oportunidades.

Presidente de Cabo Verde lança livro em Portugal

A obra, intitulada “A Sedutora Tinta de Minhas Noutes”, é apresentada esta terça-feira no Teatro Almeida Garrett, na Póvoa do Varzim.
Comentários