Portugal tem das maiores proporções na Europa de mulheres e jovens com contratos precários

Estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos revela, também, que as mulheres ganham sempre menos que os homens e que a diferença de salários se agrava ao longo da idade ativa.

As mulheres e os homens jovens em Portugal representam a maior proporção de contratos não permanentes e das mais elevadas no contexto europeu, ganhando cerca de metade do salário médio por hora na União Europeia a 27, segundo dados do estudo “Igualdade ao longo da vida”, da Fundação Francisco Manuel dos Santos.

O estudo coordenado por Anália Torres, coordenadora do Centro Interdisciplinar de Estudos de Igualdade de Género da Universidade de Lisboa, apresentado esta segunda-feira, aponta que os trabalhadores portugueses ganham abaixo da média da União Europeia a 27, qualquer que seja a faixa etária, “sendo das e dos trabalhadoras/es mais mal pagas/os no cenário europeu”, mas mostra que o sexo feminino continua a ser mais penalizado, continuando a existir um forte diferencial salarial em desfavorecimento das mulheres.

“É importante frisar ainda as assimetrias de género que ocorrem logo nesta idade da vida [entre os 15-29 anos] em relação ao domínio do trabalho, com as mulheres em Portugal e na Europa a serem mais penalizadas do que os homens no que diz respeito à segurança dos vínculos laborais, às perspetivas de carreira profissional e à remuneração”, realçam os investigadores.

Em Portugal, na juventude, o maior sucesso escolar das raparigas “não encontra tradução prática imediata”, com uma taxa de emprego da população jovem masculina ligeiramente mais elevada do que entre as mulheres, em Portugal – eles com 40,9%, elas com 39,2%.

A disparidade salarial entre homens e mulheres é marcada ao longo de todas as fases da vida, acentua-se na fase tardia da vida activa e agrava-se no grupo de mulheres com mais de 60 anos. “As desvantagens de género ocorrem, assim, por diferentes vias – salários mais baixos, carreiras contributivas interrompidas”, conclui-se.

Mulheres portuguesas ganham menos 3,9 euros por hora do que as europeias

As mulheres portugueses são das trabalhadores mais penalizadas da União Europeia a 27, entre os 30 e os 40 anos, auferindo menos 3,9 euros por hora do que a média das mulheres europeias, enquanto os homens auferem menos 5,6 euros por hora. Quer em Portugal, quer nos restantes países europeus, o sexo feminino continua a auferir menos que os homens.

“Na fase de integração no mercado de trabalho, durante a juventude, as trabalhadoras e os trabalhadores em Portugal têm um salário médio/hora 5,3 euros inferior à média europeia. Na rush hour of life, período crítico em que mulheres e homens sofrem a dupla pressão das responsabilidades familiares e do investimento na carreira profissional, as mulheres portuguesas ganham menos 3,9 euros/hora do que a média europeia; os homens ganham menos 5,6 euros/hora do que a média dos salários/hora no contexto da UE a 27 países”, concluem os investigadores.

Verifica-se também que na fase tardia da vida, as trabalhadoras portuguesas ganham menos 4,9 euros por hora do que a média das mulheres na UE a 27 e os homens portugueses ganham menos cerca de sete euros por hora.

O estudo considerou três idades da vida – a infância e a juventude (até aos 29 anos), a rush hour of life (dos 30 aos 49 anos) e a fase tardia da vida ativa (dos 50 aos 65 anos) e colocou Portugal em perspetiva em relação aos restantes países europeus, entre 2000 e 2016.

Relacionadas

Mulheres ganham menos do que homens em todas as profissões na Europa

As mulheres têm salários inferiores aos dos homens em todas as profissões, em todos os países da Europa, desigualdade que se prolonga pela vida fora, com saídas precoces do mercado de trabalho, pensões baixas e maior risco de pobreza.

António Costa no congresso do PS: “Não meti os papéis para a reforma”

“É muito gratificante ver que podemos olhar para o nosso futuro com enorme tranquilidade e satisfação, porque vemos lá, no futuro, a aproximar-se uma nova geração com um enorme potencial”, disse Costa, sobre a sua sucessão, no encerramento do congresso do Partido Socialista.
Recomendadas

Costa considera que emissão da dívida é um “dia histórico” para a recuperação europeia

O primeiro-ministro afirma que esta ferramenta permite que o bloco europeu tenha “um programa mais robusto a menor custo” e prova a “credibilidade” da União Europeia. “O futuro começa hoje”, frisou.

Índice de confiança do ISEG na economia volta a subir em maio

O índice de confiança do Instituto Superior de Economia e Gestão na evolução da economia no curto prazo fixou-se em 33,2 no mês passado.

Comissão Europeia já concluiu avaliação do PRR português

O colégio de comissários europeus concluiu esta terça-feira a avaliação do Plano de Recuperação e Resiliência português, a par do plano espanhol, grego, dinamarquês e do Luxemburgo. A aprovação do PRR pela Comissão Europeia será marcada pela visita da presidente da instituição, Ursula von der Leyen, a Lisboa para entregar pessoalmente ao primeiro-ministro, António Costa, o resultado da análise feita pelo executivo comunitário.
Comentários