Portugal tem mais de 30 mil vagas de emprego por preencher

A CGTP aponta que o aumento de número de empregos por preencher em cerca de 9% deve-se a “salários baixos e vínculos precários”.

Hugo Correia/Reuters

No terceiro trimestre de 2018 registavam-se 30.031 postos de trabalho sem candidatos em Portugal, o que representa uma subida de 8,9% em termos homólogos.

Segundo os dados do Ministério do Trabalho, divulgados na edição desta quinta-feira do “Correio da Manhã” (CM), os setores com o maior número de vagas por preencher são o comércio e a restauração.

No entanto, os segmentos de atividade com o maior aumento nos postos de trabalho sem candidatos foram a construção (+49,5%) e a administração pública, educação e saúde (+42,8%). Arménio Carlos, líder da CGTP-IN, afirmou ao CM que o número de empregos sem dono cresce devido a “salários baixos e vínculos precários”.

O número de desempregados inscritos no Centro de Emprego e Formação Profissional (IEFP) aumentou ligeiramente em novembro face ao mês anterior, mas recuou face ao período homólogo de 2017. O desemprego registado subiu 0,2% em novembro, em comparação com outubro, fixando-se em 334.897. No entanto, caiu 17,2% face a novembro de 2017, com menos 69.728 indivíduos inscritos.

O valor máximo do subsídio de desemprego aumenta 16 euros este ano, para 1.088,3 euros, segundo cálculos com base na inflação de novembro publicado pelo Instituto Nacional de Estatística.

Relacionadas

Número de desempregados inscritos sobe 0,2% em novembro face ao mês anterior

Número de desempregados registados no IEFP subiu ligeiramente em novembro em comparação com outubro, mas caiu 17,2% face a novembro de 2017.

Desemprego recua em outubro na zona euro. Portugal com 4ª maior quebra

A taxa de desemprego recuou, em outubro, na zona euro e na União Europeia, com Portugal a registar a quarta quebra homóloga, segundo o Eurostat.
Recomendadas

Alta Comissária da ONU chegou a Caracas para analisar crise política, económica e social

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet iniciou quarta-feira uma visita de três dias à Venezuela, país que enfrenta uma grave crise política, económica e social que forçou mais de 4 milhões de venezuelanos a emigrar.

Acionistas da Goggle pediram relatório de impacto nos direitos humanos no regresso do motor à China

Um grupo de acionistas do Alphabet, dona do Google, pediu que a empresa prepare um relatório sobre o impacto nos direitos humanos de um possível regresso do famoso motor de pesquisa à China, com uma versão censurada.

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.
Comentários