Portugal volta aos mercados na quarta-feira para emitir até 1.250 ME em Bilhetes do Tesouro

Nos últimos leilões comparáveis, em 17 de abril, Portugal colocou 1.250 milhões de euros, montante máximo anunciado, em Bilhetes do Tesouro (BT) a três e a 11 meses, a taxas de juros ainda mais negativas nos dois prazos.

Portugal volta aos mercados na próxima quarta-feira para colocar até 1.250 milhões de euros em dois leilões de Bilhetes do Tesouro (BT) a três e 11 meses, anunciou hoje o IGCP.

“O IGCP, E.P.E. vai realizar no próximo dia 19 de junho pelas 10:30 dois leilões das linhas de BT com maturidades em 20 de setembro de 2019 e 15 de maio de 2020, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros”, indica a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na nota enviada à comunicação social.

Nos últimos leilões comparáveis, em 17 de abril, Portugal colocou 1.250 milhões de euros, montante máximo anunciado, em Bilhetes do Tesouro (BT) a três e a 11 meses, a taxas de juros ainda mais negativas nos dois prazos.

A 11 meses foram colocados 950 milhões de euros em BT à taxa de juro média de -0,368%, mais negativa do que a registada em 20 de fevereiro, quando foram colocados 850 milhões de euros com um juro de -0,363%.

A três meses foram colocados naquele dia 300 milhões de euros em BT à taxa média de -0,415%, mais negativa do que a verificada em 20 de fevereiro, quando foram colocados 150 milhões de euros a -0,389%.

A procura atingiu 1.561 milhões de euros para os BT a 11 meses, 1,64 vezes superior ao montante colocado, e 935 milhões de euros para os BT a três meses, 3,12 vezes o montante colocado.

Ler mais
Recomendadas

Portugal emite 1,5 mil milhões de euros em dívida a curto prazo com taxas mais negativas

Portugal tem renovado mínimos nos custos de financiamento e a tendência voltou a verificar-se no leilão de dívida a seis e 12 meses desta quarta-feira.

PSI 20 acompanha queda das congéneres europeias depois de Trump admitir mais tarifas à China

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.255,12 pontos.

“O Conselho de Governadores é um Conselho e não um ‘one-woman show'”, diz economista-chefe da Allianz GI

Stefan Hofrichter diz ao Jornal Económico que o atual rumo da política monetária “limita” as opções em caso de recessão e destaca que as decisão do Banco Central Europeu dependem dos vários membros do Conselho de Governadores e não apenas do seu presidente.
Comentários