Português cria site que deteta doença de Parkinson através da voz

Um site que analisa ficheiros de voz e determina se o utilizador tem indícios da doença de Parkinson, permitindo assim uma deteção e tratamento precoce, foi desenvolvido por um engenheiro do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP).

Para além de permitir a deteção precoce da doença de Parkinson em pessoas de diferentes idades, a tecnologia tem igualmente como objetivo diminuir os custos associados aos exames e aos tratamentos, explicou Diogo Braga, responsável pela criação deste projeto, que terminou recentemente a licenciatura em Engenharia Informática no ISEP.

“Existe um elevado custo associado às doenças neurodegenerativas, com tratamentos dispendiosos e que apenas servem para dar uma melhor qualidade de vida do que aquela que os doentes teriam sem os tratamentos, que têm que ser cumpridos escrupulosamente para terem efeito”, disse o engenheiro.

No entanto, segundo Diogo Braga, a doença tem outros custos para além do tratamento, que se prendem aos cuidadores, às depressões que os pacientes desenvolvem e ao facto de estes não terem atividade no mercado de trabalho.

“Quando é feito um somatório desses custos, o resultado é bastante elevado”, notou Diogo Braga, acrescentado que os tratamentos precoces não levam só a uma diminuição dos gastos associados, atuando também na progressão da doença para determinados estádios.

Para obter o resultado basta que os utilizadores (anónimos ou identificados) descarreguem no site um ficheiro de áudio (nos formatos ‘wav’ ou ‘mp3’) com cerca de cinco segundos.

O resultado é divulgado de imediato, indicando ao utilizador se tem indícios ou não, se deve consultar um médico ou repetir o teste noutro dia.

Esses indícios são detetados através de um sistema de aprendizagem automática (‘machine learning’) baseada em dados de 24 pacientes com Parkinson, em diferentes estados de progressão da doença, e em dados de 30 pessoas saudáveis, tendo a precisão de identificação rondado os 92,38% durante os testes.

Diogo Braga explicou que a doença de Parkinson pode ser detetada pela rigidez na voz e nos ciclos vogais (que não conseguem ser percebidos pelos humanos).

“Quando expressamos um vogal a nossa boca faz um ciclo, que é suposto ser fluído, sem nenhuma rigidez e sem travar”, indicou, esclarecendo que nos doentes de Parkinson, é possível detetar esses fatores na voz numa fase precoce da doença.

Para o engenheiro, o fator diferenciador desta tecnologia é o facto de a deteção ser feita “com tolerância a ruído ambiente”.

“Como os utilizadores poderão não estar em condições de laboratório, é importante que o sistema consiga detetar indícios da doença através da voz mesmo quando a gravação apresenta ruído ligeiro”, disse.

Desenvolvido no âmbito do estágio curricular que o recém-diplomado do ISEP realizou no Grupo de Investigação em Engenharia e Computação Inteligente para a Inovação e o Desenvolvimento (GECAD), o ‘website’ demorou cerca de quatro meses a ser desenvolvido.

A plataforma, que pode ser adaptada no futuro para outras doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer e o Huntington, ainda não se encontra online.

Os docentes do ISEP e orientadores do projeto, Ana Maria Madureira e Luís Filipe Coelho, esclarecem que a prioridade tem sido dada à publicação de artigos científicos, que permitam “validar e conferir um maior grau de credibilidade ao projeto”.

 

Recomendadas

Ómicron. O que já se sabe sobre a nova variante que está a preocupar as autoridades de saúde?

Com casos detetados em seis países do sul de África, a comunidade científica olha com atenção para esta nova variante que foi considerada pela OMS como uma “variante de preocupação”. Face à sua rápida disseminação, a União Europeia já decretou suspender todos os voos vindos de seis países africanos, incluindo Moçambique.

Terceira dose da vacina contra a Covid-19 já foi administrada a 900 mil pessoas em Portugal

Já a vacina contra a gripe foi dada a 1,7 milhões de pessoas, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Regulador da UE decide hoje sobre uso da vacina da Pfizer em crianças até 11 anos (com áudio)

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) vai emitir esta quinta-feira a sua decisão sobre administração da vacina anticovid-19 da BioNTech/Pfizer a crianças dos 5 aos 11 anos, podendo ser a primeira na União Europeia (UE) para esta faixa etária.
Comentários