Portugueses gastaram 250 milhões de euros por mês em jogos da Santa Casa

A Raspadinha foi a favorita e voltou a ultrapassar o Euromilhões. O Placard teve um crescimento de 18,5%

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

Os portugueses gastaram uma média de 250 milhões de euros por mês em jogos sociais da Santa Casa, totalizando mais de 2,7 mil milhões de euros até novembro do ano passado, revelam os dados facultados ao “Jornal de Notícias” pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML).

O valor divulgado esta sexta-feira mostra que houve um aumento da fasquia face a 2016, quando se atingiu o recorde de sempre e se registaram 231 milhões de euros. Os dois jogos mais vendidos foram a Raspadinha e o Euromilhões.

A Raspadinha foi mesmo a favorita e voltou a ultrapassar o Euromilhões, com quase metade (49%) de todas as vendas (1,3 mil milhões).

O Placard teve um crescimento de 18,5% face ao ano anterior (385,4 milhões de euros despendidos até novembro) e nele foram gastos 457,3 milhões de euros. Por outro lado, as lotarias Clássica, Popular e Instantânea, o Totobola e o Totoloto perderam interessados ao longo de 2017.

Quatro empresas de jogo online querem entrar em Portugal

Ler mais
Relacionadas

Receitas dos casinos de Macau aumentam 19,1%

Em 2017 as receitas dos casinos de Macau atingiu os 27,5 mil milhões de euros.

‘Match-fixing’: “Deve haver tolerância zero para quem entra nestes esquemas”

Numa altura em que a sociedade portuguesa parece ter ganho consciência de que o match-fixing é real, o Jornal Económico falou com Luís Aguilar, autor do livro “Aposta Suja”, sobre as causas e consequências desta realidade.
Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários