Possível inconstitucionalidade no diploma dos professores não preocupa sindicato nem PSD

O Sindicato dos Professores da Madeira utiliza a autonomia enquanto que o PSD diz que o estatuto político-administrativo permite à região legislar.

Para Francisco Oliveira, dirigente do Sindicato dos Professores da Madeira (SPM), não existem riscos de inconstitucionalidade no Decreto Legislativo Regional, que foi aprovado pela Assembleia Legislativa da Madeira, que vai regular a recuperação do tempo de serviço dos professores.

Esta posição vem contrariar a opinião manifestada por Paulo Otero, em declarações do DN, afirmava que o facto de existirem três sistemas, um na Madeira, nos Açores, e no Continente, relativos à recuperação salarial dos professores pode ser inconstitucional, invocando a violação do princípio do estado unitário, o da igualdade, e o da proibição do arbítrio.

“Esta posição não tem em conta a total autonomia que a Madeira e os Açores têm em áreas como a educação”, considera Francisco Oliveira.

O deputado do PSD, Adolfo Brazão, acredita também que não existem motivos para uma possível inconstitucionalidade na recuperação do tempo de serviço dos professores.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Candidatura do Porto Santo a Reserva da Biosfera já entrou em período de auscultação pública

Antes da data de 22 de abril está prevista uma sessão de esclarecimento dos documentos disponíveis.

Governo Regional acusa vereadora do Funchal de “distracção ou falta de vontade política” sobre Parque Ecológico

A vereadora Idalina Perestrelo tinha apelado a que o executivo regional realizasse uma intervenção na zona do tampão verde de modo a prevenir os incêndios. O Governo Regional respondeu dizendo que tem feito esse trabalho através da faixa corta-fogo, da plantação de plantas no Pico dos Esteios, do projecto florestal para o Montado da Esperança, para além da reflorestações que têm sido feitas.

Rafael Macedo acusa alguns colegas de “forte neglicência” e de fornecerem tratamentos não adequados

O coordenador da unidade de medicina nuclear disse ainda que alguns serviços do Serviço Regional de Saúde funcionam “muito mal”.
Comentários