PremiumPowell vai decidir quanto poderá correr o ‘touro’ de Wall Street

Os índices bolsistas norte-americanos não descolam de máximos e aguardam apenas o ‘OK’ da Fed no dia 31 para voarem mais alto com juros mais baixos. Nem a estagnação dos lucros reduz expetativas.

Sell in May and go away! Os investidores em Wall Street que seguiram o velho adágio este ano poderão estar arrependidos. Se, por um lado, tinham razões para vender, por outro ficaram de fora de uma recuperação que tem levado os índices a novos máximos históricos.

Entre o início do ano e o final de abril, o índice Dow Jones 30 subiu 14%. A 5 de maio, Donald Trump teclou no Twitter que os EUA iriam aumentar as tarifas às importações de produtos chineses no valor de 200 mil milhões de dólares de 10% para 25%. Pequim retaliou e as expectativas sobre um acordo na guerra comercial esfriaram, dando mais uma razão para os investidores venderem, levando o Dow a perder 6,69% em maio.

A reação da Reserva Federal (Fed) não tardou, com Jerome Powell a prometer, a 4 de junho, que o banco central vai agir de forma apropriada para suster a expansão económica, sinalizado um corte nas taxas de juro. Desde essa altura, com Powell a repetir a mensagem de forma frequente, o Dow Jones ganhou cerca de 10%.

“A perspectiva de cortes nas taxas tem sido um fator, porque leva a um re-rating dos mercados bolsistas”, referiu Keith Wade, economista-chefe da Schroders, referindo ainda o recuo dos EUA nas tarifas ao México e o renovar, à margem da reunião do G20, do diálogo sino-americano como suportes.

As tecnológicas são citadas pelos analistas como estando na ponta dos ganhos. “As empresas tech apresentaram-se mesmo em máximos de um ano, depois dos EUA terem levantado a proibição de negociar com a Huawei, onde as empresas norte-americanas vão poder voltar a vender produtos à empresa chinesa”, sublinhou Nuno Caetano, analista de mercados da corretora Infinox.

Os analistas são consensuais também sobre o fator chave nas próximas semanas: a atuação da Fed na reunião de politica monetária que acaba a 31 de julho vai ser preponderante para o desempenho das bolsas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Ler mais
Recomendadas

PremiumPor trás dos números – Os ‘Midas’ e a arte de bem investir

Foi a paixão pelos números que os levou a querer perceber o que explica as oscilações das ações. Habituados a lidar com a alta pressão, os analistas de mercados são inundados por avalanchas de dados financeiros, que analisam para acautelar e valorizar os investimentos dos clientes. Consideram que há excesso de regulação e que a tecnologia prejudicou os pequenos investidores.

PremiumEike Batista – O empresário que perdeu 35 mil milhões num ano

O empresário é um dos sete filhos de uma alemã e de um brasileiro. Nasceu no Brasil, cresceu na Europa e criou um império de negócios com empresas mineiras e de construção. Faliu em 2013 e já foi preso no âmbito da operação Lava-Jato.

PremiumDiversificação vai chegar ao arquipélago das oportunidades

Pesca e turismo têm grande peso na economia açoriana, mas o mote é ampliar o potencial do arquipélago. O rácio de criação de empresas continua a ser o mais elevado do país.
Comentários